quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

RADAR QUEBRADO


Conversava com um amigo, e falávamos sobre relacionamentos ruins, frustrados, e sobre desilusões amorosas - quem nunca teve, né?
Sabe quando um relacionamento acaba, você olha pra trás depois e pensa: "céus, como é que eu não vi que era assim??"

Pois eu tenho uma teoria, que ao mesmo tempo nos culpa e nos exime também: o radar quebrado.

Quando a gente está apaixonado (não amando; apaixonado), pode acontecer do radar falhar.
E a culpa é nossa. Estamos tão envolvidos numa história de amor unilateral, que os detalhes e a realidade nos escapam.
Digo unilateral, porque nem sempre o que a gente está vivendo é o que a pessoa vive.
Você se desdobra pela pessoa, faz tudo, se doa por completo, se entrega.... e de repente se engana, se contentando com migalhas emocionais!

Sabe o que são migalhas emocionais?
Você faz tudo pela pessoa, e ela faz o mínimo, aquele que não é mais que obrigação  - mas você enxerga esse mínimo como sendo muita coisa.
É o radar que não está funcionando.

E pior que quando acaba, tempos depois, com lucidez, você fica com raiva de si mesmo - como é que eu não vi??
Com é que eu não vi os sinais?
Como não percebi que eu sempre ligava, e ele muito de má vontade me ligava muito de vez em quando?
Como não percebi que eu sempre a abraçava e beijava, e ela retribuía sem espontaneidade?
Como não percebi que ele se interessava mais por maquiagem do que eu? (rsrsrs, brincadeira. Piada interna)

Então, a culpa é nossa sim - por ter vivido num relacionamento imaginário.
Que só existia daquele jeito na nossa cabeça. E que na realidade, no ponto de vista do outro, era completamente diferente.
Os sinais estavam lá - a gente é que ignorou deliberada ou  inconscientemente.

Mas tudo bem, também não precisa se martirizar - quem fica cego assim, fica porque tá apaixonado.
Pensa que você não foi um otário idiota.
Só estava cego, sem o radar.
Depois que ele "conserta", faz você beeeeem mais atento e consciente.
Te digo, por exemplo, que faz uns 15 anos que meu radar funciooooooona que é uma beleza, rsrs.

14 comentários:

Bri disse...

Já vivi isso e até hj me pergunto como pude ser tão burra!!! Mas hj meu radar vai funciona perfeitamente.....e talvez por isso esteja sozinha há 1 ano!!!! mas to feliz...aprendi a me conhecer...Bjsss

Ana Brígida Chueri

Coisas de Mirela...... disse...

Amei o post. bjs

Aime Chiquini disse...

Ótimo o post!!!!
Me fez refletir lembrar da minha adolescência....
Eu talvez por ter visto o relacionamento complicado dos meus pais e dos outros relacionamentos da família no geral, fiquei meio com medo de gostar de alguém...
Então eu na minha adolescência eu era a garota cafa, enquanto as coisas estavam bem, não havia grande envolvimento eu adorava!!!!! QD o cara começava a demonstrar um nível de interesse maior, comprometimento, eu gelava, me desinteressava e pulava fora....
Eh, eu era o prototipo do cara que toda mulher costuma ter ojeriza só que na versão Feminina!!!!!!!
E por incrível que pareça, com muito jeito eu expunha isso pra TODOS! hahaahah....
Não sei se eles não acreditavam em mim, ou me achavam estranha, mas de uma forma ou de outra eu acaba me tornando mais interessante pra eles (obvio eu virara um desafio....) e mais arisca tb!!!!rsrsrs
Eu fui o capeta durante essa época!!!!!
Me apaixonar mesmo, de verdade, de coração e alma abertos!? Só com meu atual namorado... Tive uma outra paixão, paixonite na verdade.... Mas nem assim consegui me cegar!!!
Eu via exatamente quem e o que ele era!rs...


Enfim, meu radar até hj funciona bem!!!hahahaahah

Bjuuu
=]*

Zuleica disse...

Oi Elise, adorei o post!
Mas uma frase sua me chamou a atenção, vc fala da diferença entre estar apaixonado e amar..faz um posto sobre isso, sugestão!
Beijos!

Anônimo disse...

Ai, Elise... Meu radar tá permanentemente quebrado... =(

Os poucos relacionamentos, tds foram mantidos com migalhas emocionais...

E do seu q se interessava mais por maquiagem q vc, ME IDENTIFIQUEI, haha!

Dá uma dica de como consertar o radar!

Bjos!

Anônimo disse...

Acho que não tem mulher que nunca passou por isso, em menor ou maior grau. Já passei uma vez, mas foi uma coisa bem rápida, não chegou a virar relacionamento.. hoje olho pra trás e vejo como pude me humilhar assim, e não é que eu estava apaixonada, o cara era meia boca. E digo, é a carência. Mas serviu pra eu aprender a me dar mais valor e a valorizar quem me valoriza. O negócio é usar como aprendizado, mas tem gente que sai de um relacionamento com radar quebrado e entra em outro, e outro... aí não dá.

Ass: ni

Maela disse...

Radar quebrado não é coisa de apaixonado ( somente ).
Conheço mulheres casadas que se contentam com restos.
O casamento tá uma merda, o cara é um grosso e não liga para os filhos, chama a mulher de gorda.... "mas ele é trabalhador sabe..." "mas todos tem defeitos".... "mas sexo nem é tão importante"... " ele é grosso, mas eu faço o que eu quero e ele o que ele quer" e muitas outras desculpas.
Eu digo sempre.. PUXE O BAND-AID.
Pois o pior castigo é o auto-afligido

Michele P. disse...

Elise

É por isso que meu radar anda em constante manutenção... rs Estou sempre com um pé atrás. De certa forma isso é ruim, pois impede que haja entrega total, mas também evita
acidentes de percurso...rs

PS: Adoro seus textos, sempre tão bem humorados e ao mesmo tempo reflexivos.

Um abraço

Mundo da Fer* disse...

Inspirador seu texto Lise,pena que meu rada só viva quebrado o pega a estrada errada!kkkk

Beijos

Anônimo disse...

Hj vai ser anônimo, mas sempre comento vc sabe.

E se eu te disser que:

1-Eu ligava e ele atendia de má vontade?
2- Eu abraçava e não era retribuida!ou o abraço sempre partia de mim

E se eu te disser que, pior:
Eu sempre percebi mas nunca me importei em me humilhar, ou me importava mas não tinha coragem de terminar, por carência...

E se eu te disser que isso ainda acontece e estou com ele há dez longos anos por medo de ficar sozinha?

Daniel disse...

Ja vi esse filme... no meu caso um Musical.

Angela disse...

Na minha opinião, todos nós estamos sujeitos a viver de migalhas, homens e mulheres!
Eu já vivi, meu atual já viveu e quase todas as pessoas que conheço já viveram em menor ou maior grau!
E como já disseram, a culpa disso é carência!
No meu caso, eu era gorducha e achava que só ele (bem mais velho, até com uma neta, feioso, arrogante, desleixado) iria me querer!
Emagreci, terminei, aproveitei horrores a solteirisse e agora colho pétalas de flores com um fofo (mais novo, lindão, atencioso e vaidoso, mas que não liga para make...rs...)!

Beijos!

Rick disse...

Demorei, mas cheguei!
Como você sabe bem, meu radar quebrou uma vez e as consequências foram trágicas.
Por isso, não quebra mais!
Não daquele jeito, não daquela maneira!

Beijas!

Renata disse...

VC já assistiu "500 dias com ela"? É exatamente sobre isso e é super realista. Gostei muito.
beijinhos