quinta-feira, 29 de outubro de 2009

QUE VERGONHA....

Papo sério.

Sabe de uma coisa? Depois nego vem de nhénhénhé, querendo saber por que tem criança na rua e tals.

O processo de dar ENTRADA nos papéis de habilitação de adoção está em andamento, para a Dani. Só que quer ouvir o impressionante?

Nem vou falar da burocracia, e dos absurdos hipócritas. Mas da DESORGANIZAÇÃO.
A gente liga prum lugar, recebe uma informação. Liga pra outro, recebe outra completamente diferente.

Anteontem, uma funcionária de uma instituição chegou a confessar ao telefone para mim que nem eles se entendem.
Que cada vara é de um jeito. Que os procedimentos dependem.
Os telefones disponíveis na internet não funcionam. Não existe página unificada, nacional de adoção. É tudo "vai lá pra ver qual é".

E por aí vai. Você entra nesse redemoinho de adoção, e começa a descobrir um monte de absurdos.

Descobre que + - 80% das crianças em abrigos não estão liberadas para adoção. Como assim????
Assim mesmo - elas não são órfãs, e foram retiradas dos familiares por maus tratos e coisas assim. Só que o governo fica tentando (ahãn, humpf!) reintegrar essas crianças com a família.

Como essa reintegração na maioria das vezes é utópica, e o Estado não faz realmente um esforço nesse sentido, essas crianças vão crescendo nos abrigos, até virarem maiores e serem devolvidas para a rua.

Hahahahaha. É de chorar!!!!

Você entra na fila, cheia de vontade de ser mãe, e sabe o que te dizem???
Que menos de um ano de espera não rola.

Aí vc pensa: "ok, uma gestação dura 9 meses. A pessoa pode esperar um ano pela adoção".

Nananinanão!

Em 9 meses seu filho vem e pronto. É certo. Na fila da adoção, esse um ano não é de espera feliz: é de medo, angústia, frustração...
É incerto, porque no final do período pode acontecer... nada!

Só sei que estou bem aborrecida. E angustiada.
A gente quer fazer tudo certinho, dentro dos conformes da legalidade, e só se fode.

12 comentários:

Maela disse...

Uma conhecida da minha tia simplismente comprou um bebê de uma mendiga.
Disse que a mendiga falou " quero 50 reais dona, tá barato pq acho que ela não passa de hoje e não quero que a senhora venha reclamar depois".
A criança tinha sarna, desidratação, nenhuma vacina, desnutrição e carrapatos.
Ficou 2 meses indo e vindo de hospitais.
Hoje tem 3 anos, está saudável e forte.

Andréa disse...

É o fim da picada mesmo.
Bom,como quase tudo nesse país né.
Tô torcendo pela Dani,vai dar tuo certo pra ela,se Deus quiser.
Elise,tem algum problema com o site da saga Wicca?
Eu não tô consegundo abrir de jeito nenhum.
Bjs

Elise Machado disse...

Maela, vou te falar que às vezes a vontade é essa, viu?! Ô raiva!

Déa, estou fazendo uns ajustes técnicos no site. já já ele volta pro ar.
Beijas.

Silvana Mello disse...

Ah! Por isso não consegui acessar o site ontem.
Quanto ao lance da adoção, já li muita coisa "braba" mesmo. É muita gente querendo fazer a coisa certa, e eles nem.. bjs

Evelyne disse...

Oi Elise,
Sou amiga da Aline, da Casa do Cacete, acompanho seu blog há tempos.
Estou comentando pq acho que posso ajudar. Meu marido tem dois filhos adotados (do 1o. casamento) e ajudou muitas outras crianças a serem adotadas na mesma época.
Na Bahia, onde ele morava, foi necessário que os pais das crianças que não estão disponíveis para adoção dissessem, em juízo, que não querem as crianças. As duas tinham pais vivos. Uma foi deixada no hospital onde nasceu pq a mãe não a queria e o outro foi deixado na porta da casa dele. Em todas as duas vezes foi necessário uma audiência para meu marido provar que queria ser pai das crianças e que os pais biológicos não queriam os filhos. Acho que assim é mais rápida a adoção. Contudo, é preciso muita força de vontade para enfrentar todo o processo. O ideal é já ter uma criança de pais vivos em vista (parece mercado, mas é assim que funciona, infelizmente).
Qualquer coisa, entre em contato comigo (evelyne.leandro@gmail.com). Compartilhar experiências tb ajuda.
Beijos!

Jussara disse...

Que chateação, hein?! Saíram umas matérias há algum tempo falando que iriam facilitar o processo de adoção, que ia ficar tudo informatizado. Qual o quê, né? Conversa pra boi dormir. Uma pena. Tantos pais querendo adotar e sofrendo com essa incerteza, com essa desorganização. Mas tá todo mundo torcendo pela Dani e logo mais as coisas se ajeitam. No final vai dar tudo certo :).

Paty disse...

por isto aqui nos States tem muita gente que vai para a China ou outros paises da America Latina. Nao é so bondade nao... é mais facil e mais rapido...
bjs

Silvia Maria disse...

Adoção fora do Rio é mais ágil.
Minha vizinha adotou em 1 mês. Trouxe o bebê de 15 dias para casa... foi na Bahia.

Dani Claudino disse...

Se vc tá com ódio, imagina eu!! Ok, ok, o que acontece comigo é como se fosse com vc e vice-versa, mas porra, tô com muito ódio depois daquela reunião de ontem. Vc já sabe de tudo...hohoho, mas a galera não sabe. Vou contar lá no blog já, já.
beju

Helena disse...

Elise, veja esse site. http://www.epinion.com.br/adocao/
A história dessa família é bem bacana e mostra um pouco de como é o processo de adoção do ponto de vista dos casais. Bjos!

Bia Bomfim disse...

É por isso que existe a famosa "adoção à moda brasileira". Pega-se a criança, leva-se ao cartório, resgistra como filho e voilá, menos uma criança na rua. Tb sou sempre a favor da andar conforme a lei, mas nessa situação, dá vontade de fechar os olhos pra ela. Boa sorte para a Dani

Elise Machado disse...

Adorei a força, chéries!