sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

UNHA DO FINDE


Francesinha de preto com branco. (abstraiam mão e foto toscas)

A manicure adorou fazer - disse que se pintasse mais uma unha de ROSA, ia querer se matar, rs. Eu tava querendo fazer alguma coisa diferente mesmo.

O negócio é que eu esqueci que tenho um batizado pra ir no domingo... oO
Mas tudo bem - levando em consideração que batizei minha própria filha toda vestida de preto... rsrs

6 comentários:

Sara Dyenne disse...

Ficou linda Elise, adoro esmalte preto.

Mas marido falta querer me matar...kkkkkkkkkkkkkkkk

ni disse...

Eu adoro esmalte rosa, mas também ando bem enjoada deles... agora que tô de férias e posso liberar mais, só tô usando azuis e verdes... rs. Aproveitar que quando voltar pro batente não vou poder usar mais essas cores (não que não possa, mas acho que não fica bem, o ambiente é mais tradicional).
Não tenho preconceito com cor nenhuma, só odeio aquelas breguices de esmalte holográfico, com glitter, unha decorada com florzinha...

Anônimo disse...

Ué, mas vc batizou a sua filha? Agora não tô entendendo mais nada!

Elise Machado disse...

Anônimo, me perguntaram a mesma coisa no Form, então vou reproduzir aqui o que já disse lá, pra não escrever tudo de novo, ok?

(em tempo, as pessoas tem que entender uma coisa - opiniões são coisas flexíveis, pelo menos pra mim. Eu posso acreditar em muitas coisas ou não, mas não sou xiita nem radical a respeito)


"Pergunta: Se é tão clara a posição 'agnóstica' , porque o batismo da filha? Não é uma ctítica, curiosidade apenas. Rs.

Elise: Claro, sem problemas, rs.
Bom, vamos lá.
Eu sou agnóstica, e o B não tem uma posição muito definida. Mas as famílias são bem religiosas. A minha é católica (minha vó, pois minha mãe é kardecista), e os pais dele são protestantes (ele é inglês, lembra?).
Eu normalmente não batizaria ela SÓ pra agradar os familiares, mas achei que não haveria nada de mal batizar, pois também facilitaria as coisas mais tarde pra ela, caso ela quisesse casar na igreja e coisa assim (precisa ter sido batizado).
Como eu fui batizada, e isso nunca me atrapalhou, achei que a BENÇÃO em si não faria mal algum.

É um desejo de alguém que ela seja abençoada, como isso pode ser ruim ou negativo, mesmo que eu não acredite, né? Acredito na boa vontade e boas intenções, daí...

E, no fim de tudo, foi mais um motivo pra gente fazer festa e comemorar, hahahaha.

Mas, como eu disse, foi light: eu estava de preto, porque era a roupa que eu queria usar; amamentei ela no meio da liturgia e outras coisas pouco convencionais :)"

Elise Machado disse...

Em tempo de novo: e eu tive um reverendo que realizou minha cerimônia de casamento de forma ecumênica também.

Mesmo sem religião, não achei nada de errado ou ofensivo naquela pessoa ali me desejando coisas boas, me abençoando na crença dele, me enviando pensamentos e energias de afeto.

As pessoas se confundem achando que uma pessoa que não crê na instituição da igreja, como eu, se sinta ultrajada pela fé dos outros.
Eu acho a fé (dentro de certo limite respeitador do outro) uma coisa legal.

Eu não tenho problema algum das pessoas rezarem ou orarem por mim, se quiserem, se fizerem uma macumba do bem pra mim, se me enviarem energias e pensamentos positivos, ou bençãos ou...

Eu posso não fazer e nem acreditar pessoalmente nessas coisas, mas acredito piamente na boa vontade da pessoa que fez, na boa intenção e que isso vibra de forma positiva pra mim, ok?

andreia_coutto disse...

Unha chique demais. Uma boa idéia, Elise.
Bjas.