sexta-feira, 5 de novembro de 2010

O PACOTE COMPLETO



Dia desses, um amigo me mandou um email contando de uma amiga que ele tem, que é mãe solteira, que quando vai sair com um cara ou conhece um cara, a primeira coisa que faz é informar sobre o filho.
Ele me perguntou o que eu achava e se eu faria a mesma coisa,  porque ele achava isso meio estranho.

Eu fiquei pensando um bocado sobre o negócio e tentei me colocar na posição de estar sozinha e com um filho.
Olha, não sei se seria a primeira coisa a dizer, mas com certeza eu deixaria isso bem claro logo de cara. Por "N" motivos.

Primeiro deixa eu fazer uma observação. Ao me imaginar na posição de não ser/estar casada e com a Memée, é que me dei conta da complexidade da situação das mulheres que tem filhos mas são solteiras, separadas ou viúvas.

Não é qualquer cara que vai sair com uma mulher nessa situação, e aí eu volto aos motivos pelos quais eu colocaria a questão logo de cara.

Assim, supondo que o B.... não estivesse.
A criança é a coisa mais importante da minha vida. Então eu jamais 1) colocaria qualquer outro homem dentro de casa (a não ser que a relação já fosse MEGA SÉRIA e definitiva), 2) deixaria ela me ver cada hora com uma pessoa.
Como fazem pra namorar essas mulheres então???

Elas não podem dormir fora de casa mais do que 1 vez na semana, e isso se tiverem uma boa babá, ou uma avó prestativa ou se a criança for dormir num amiguinho.
O cara teria que aturar só poder marcar uma saída se a mulher tivesse com quem deixar o filho. Ele teria de se conformar em vê-la menos do que provavelmente gostaria, e entender que não está em primeiro lugar na lista de prioridades desta mulher.

Corajoso esse cara!! E gosta meeeesmo dela!

Depois, supondo que o negócio ficasse mais sério, esse cara iria ter de se conformar em dividir a própria mulher com uma criança que não é filha dele, e teria ainda que entubar o que acha da educação dela sem poder se meter, porque ele não sendo o pai, não poderia opinar (a não ser naqueles casos em que o cara casa com a mulher quando a criança é bem pequena, e o pai de verdade não existe mesmo, e ele acaba participando mais). Complicado.

Se a mulher for separada, ele vai ter autonomia de vê-la mais, beleza. Mas em compensação vai ter de aturar outra coisa complicada: EX-MARIDO!

Então talvez seja mais prático colocar o preto no branco logo de cara.
Não é romântico, mas...  é bom ele saber direito onde está se metendo antes de embarcar nessa!
Eu tenho uma amiga que quando se separou saiu com um cara que disse, no primeiro encontro, que ODIAVA crianças. A filha dela tinha 3 aninhos na época. Você acha que ela saiu com ele de novo???
Assim, o cara pode não querer ser pai, ou nem ser muito paterno... mas se ele odeia crianças ele NUNCA vai poder namorar uma mãe, tá ligado?!

Mães são difíceis - elas tem muitos compromissos. É reunião de escola, é apresentação de ballet, é conselho de classe, é festinha de amiguinho, é ajudar a fazer dever de casa... esse cara vai acompanhar o tranco???
TEM QUE SER MUITO MACHO! rsrs
Quando o casal é pai e mãe, não existe esse questionamento - eles estão juntos por um motivo em comum.
Agora, um cara cair de pára-quedas nessa história, complica.

Eu fiquei com muita empatia pelas mães solteiras/viúvas/separadas! Até porque pra mim não existe um relacionamento "meio do caminho".

Eu acharia uma tortura ter dia marcado pra encontrar, não poder dormir junto sempre, trepar sempre, não poder rir e fazer piadas no café-da-manhã, não ir ao cinema domingo à tarde ou quando bem entendesse, ou ainda ver tv jogado no sofá à noite bebendo vinho...
Bolas, eu já acharia o namoro "convencional" meio sacal e frio! Estou acostumada a VIVER mesmo com uma pessoa, e é assim que eu gosto.
Não gosto de distâncias, nem físicas nem emocionais. É meu jeito - eu funciono em "time". Parece sufocante, mas não é, acredite.
Imagine então numa situação dessas, em que se está menos disponível ainda!!! Cruzes!!

Então, homens que NAMORAM ou CASARAM com mulheres com filhos - eu tiro meu chapéu pra vocês!
Um cara que se entrega e assume uma mulher com essa "bagagem" merece toda a minha admiração :)

Te juro que agora estou até olhando com outros olhos pros meus amigos que casaram com mulheres com filhos e são ÓTIMOS maridos, viu?!

PS: B, por favor vá fazer um check-up, ok??? rs
Sem você é CERTO que vou virar eremita, rs.

24 comentários:

Ana disse...

Oi Elise,
acompanho seu blog faz um tempo e adoro seus posts.
Hoje, tenho que comentar.
Sou mãe solteira de uma menina fofa de um aninho: a Letícia.
O pai pediu para eu tirar quando contei que estava grávida. Eu o mandei passear.
Com 3 meses de gravidez, um outro ex me procurou, me pediu ajuda profissional (sou advogada) e me perguntou como eu estava. Eu contei que estava grávida.
Ele voltou comigo, disse que iria assumir um filho que não era dele, que iríamos casar, voltou a frenquentar a casa da minha família.
Mas aí, quando viu o ultrassom, pirou. Disse que não reconhecia um filho dele. Foram meses de tortura até eu mandá-lo passear.
Minha pequena nasceu. É linda.
E sou super feliz hoje.
Ainda não encontrei ninguém. Não é para qualquer cara encarar. Mas te digo: quem encarar é pq gosta mesmo. É homem de verdade.
E não os fracotes que atravessram meu caminho.
Todos dissem que sou forte, pelo que vivi. QUe nada. O amor desta menina linda, me deu leveza, uma alegria imensa.
É isso.
Bjs.
Ana
E

Ana disse...

Oi Elise,
acompanho seu blog faz um tempo e adoro seus posts.
Hoje, tenho que comentar.
Sou mãe solteira de uma menina fofa de um aninho: a Letícia.
O pai pediu para eu tirar quando contei que estava grávida. Eu o mandei passear.
Com 3 meses de gravidez, um outro ex me procurou, me pediu ajuda profissional (sou advogada) e me perguntou como eu estava. Eu contei que estava grávida.
Ele voltou comigo, disse que iria assumir um filho que não era dele, que iríamos casar, voltou a frenquentar a casa da minha família.
Mas aí, quando viu o ultrassom, pirou. Disse que não reconhecia um filho dele. Foram meses de tortura até eu mandá-lo passear.
Minha pequena nasceu. É linda.
E sou super feliz hoje.
Ainda não encontrei ninguém. Não é para qualquer cara encarar. Mas te digo: quem encarar é pq gosta mesmo. É homem de verdade.
E não os fracotes que atravessram meu caminho.
Todos dissem que sou forte, pelo que vivi. QUe nada. O amor desta menina linda, me deu leveza, uma alegria imensa.
É isso.
Bjs.
Ana
E

Silvia Maria disse...

Sei como é.
Sou separada e tenho um filho - adolescente. Noooosssa!!! (Namô é corajoso, hein)
Mas nós dois temos nossos kits: eu, com meu filho-adolescente-de-14-anos e ele com dois filhos, uma de 25 e um de 8. Pô, também sou corajosa, né?
Isso tirando uma sacola cheeeeeeia de ex-mulheres: as mães dos filhos e as outras que ainda não se derema conta que o namoro com elas acabou.
Me diga, mereço uma merdalha?

Mariane disse...

É uma situação complicada mesmo! Deve ser bem difícil estar solteira com um filho hoje em dia. Se já está difícil arrumar homem que preste, imagine homem que preste e que aceite um filho?
É bem delicado, tem que ser muito homem e muito compreensível né? ahaha
Adorei o post, fez uma reflexão muito boa, muita vezes não pensamos na dificuldade que essas mulheres devem passar!
Beeeijos, Mari.

dicasparatodas.blogspot.com/

Anônimo disse...

Elise
Mais uma vez, vc mandou bem pacas!!! Estou exatamente nessa situação (separada há seis meses, com um filho LINDO de 3 aninhos). Depois da fase de luto, comecei a sair... e o primeiro que encontrei sabia de TODA a situação, com detalhes da separação inclusive (óbvio que não fui eu quem contou, temos uma amiga em comum) e simplesmente o cara não aguentou o tranco.
Paciência, não foi feito prá mim!! Simples assim!!
Vou encontrar alguém que valha a pena, tenho certeza!!!
Mas, de qq forma, foi bom!! Muito bom!!!
Beijas
Clau

Ricardo Aguiar disse...

"PS: B, por favor vá fazer um check-up, ok??? rs
Sem você é CERTO que vou virar eremita, rs."

Gosto de ver os casais sempre renovando os votos de amor... Faz bem ao humor e à saúde mental. Continuem sempre assim!

Ótimo post. Parabéns.

Anny disse...

Lindo, Elise!! Como sempre uma eterna romântica, adoro, rsrsr...

Anny disse...

Lindo, Elise!! Como sempre uma eterna romântica, adoro, rsrsr...

Daniel disse...

Opinão, vi seu texto por um twitter de minha ex-mulher (nos damos bem acredito eu), mas achei um pouco sexista. Dizer que esse problema é apenas de mãe solteira, separada ou divorciada.

Ta bom que nossa sociedade é machista ainda (memso com uma mulher na presidência), mas eu vou em reunião de escola, apresentaçõ de ballet, conselho de classe, onversa com coordenação e festunhas de amigos. COnverso com minha filha de 10 anos e meiu filho de 7 sobre tudo. Exigi guarda compartilhada, eles ficam uma semana inteira comigo e uma semana com a mãe e dividimos TODOS os problemas.

Ou seja tenho os mesmo problemas, para preservar minha casa e não levar uma qualquer no meu lar. Arrumar alguém que ature meus filhos e também que aceite ficar comigo sabendo que não poderei dar um filho (fiz Vasec quando meu ais novo tinha 2 meses e não me arrependo).

Não posso dar filhos, o desejo da grande maioria das mulheres. E tenho a atenção prioritária para os meus.

Mas não me acho superior, nem acho que uma mulher que aceite essas condições superior. Acho apenas que seremos mais adaptáveis as circunstâncias.

Tempo para namorar sempre se arrumará. Basta procurar bem e sempre.

O mundo é das mulheres, cada vez mais, mas é preciso não pensar como o sexo frágil por ter uma força "braçal" inferior, é preciso saber que a força psciologica e emocional deixa as mulheres sempre um passo a frente.

É isso.

Daniel Barbosa

Elise Machado disse...

Oi, Daniel.
Então, eu concordo com você.

Mas vamos lá - em NENHUM momento eu digo que isso é um problema APENAS de mães solteiras. É UM problema de mães solteiras (também). Em NENHUM momento ataco ou excluo os pais, então não é sexista.

E o seu caso não é um caso de pais solteiros - achei que tivesse deixado claro que mãe solteira pra mim é aquela que não tem um outro pai pra poder dividir a responsabilidade, como no caso das mães solteiras de verdade, viúvas e aquelas separadas que não podem contar com os ex.
Obviamente não é o seu caso.

Tenho vários amigos "pais solteiros" e acho que o que falei vale para ambos os lados - só me referi às mulheres simplesmente por ser mulher, e acabei explorando a coisa a partir da minha perspectiva :)

Mas, como eu disse, eu acho que para PAIS SOLTEIROS é muito mais difícil de se relacionar, e exige mais compreensão do parceiro. E que quando você não tem apoio da outra parte, do outro pai, é pior, pois a responsabilidade recai toda em cima de você e é mais massacrante ainda.

Ou seja, concordo com você.
Beijas.

ni disse...

Realmente, se o cara topa ficar com a mulher depois de saber que ela tem filho, é porque gosta mesmo. O problema é que pra "gostar mesmo" geralmente os dois se conhecem bem, há mais tempo... isso é difícil de acontecer quando a mulher conta do filho pro cara no primeiro ou segundo encontros. Não há ainda aquela proximidade suficiente pro cara dizer "vou encarar". É isso que torna tudo mais difícil pras mães solteiras.
Só acho que se estamos falando de um casal "mais velho", tipo, depois dos 40, a situação é menos complexa.. não? Caso de mães separadas, muitas vezes se envolve com homem também separado.. é normal pra faixa etária. Complicado mesmo é quando a mãe em questão é nova, do tipo que engravidou sem ter se casado, porque aí o homem não espera isso.
Ah, e sobre o que o Daniel falou, eu só acho que a situação do pai solteiro pode ser comparada com a da mãe, se o pai tem a guarda da criança, se ela mora com ele. Fora isso, é totalmente mais fácil.

Mirella disse...

Elise, teu post foi feito pra mim! Já te falei sobre mim há um tempo atrás... mas vou falar de novo...
Tenho 24 anos e sou viúva. Tenho um filho de 6 anos e uma filha de 3. Meu marido faleceu em um acidente quando eu estava grávida da menina, aos 7 meses de gestação. Nada na minha vida foi mto fácil. Entrei na faculdade grávida de 9 meses do menino, e tive a menina durante a faculdade tbm. Hj já sou formada em Fisioterapia. Sou pai e mãe dos meus filhos, e te confesso q desde que meu marido faleceu (há 3 anos) até hj não tive mais ninguém! Tenho mtaaa vontade, mas é mto difícil sair tendo as crianças, sabe, mesmo contando com a ajuda dos meus pais... Eu raramente saio de casa e às vezes me pergunto se vou conseguir encontrar uma pessoa legal... Puxa, será q vai ser tão difícil assim??
Incrível como vc consegue fazer uns posts que dizem tudo!
Não é fácil, mas tbm acredito q não vai ser impossível!!
Adoroo vc, Lise!
Beijas

Andréa disse...

Adorei o post.
Super interessante.
Nem consigo me ver numa situação dessa.
Se ficasse viúva agora,certamente encerraria minha carreira no ato.
Não sou dada a novas experiências,não gosto muito de gente estranha.
Acho que seria muito difícill ter outra pessoa e apresentá-la para os meninos,morreria de vergonha.
Coisas de uma quarentona psicótica né.
Mas dou a maior força para as mães solteiras.
Minha cunhada é e nos últimos 21 anos tem passado por muitos perrengues e o que é pior,tem horror da solidão.
Muita sorte e força pra mulherada.
Bjs

Anônimo disse...

Elise,
você nunca vai virar eremita.
Com ou sem filhos você vai sempre ter pretendentes.
Seu marido que me desculpe, mas eu já estou na fila \O/

Claudio Barretto disse...

Eita porra!!! hahahaha


A filosofia é bizarra mas todos sabemos que é o que rola na cabeça do povo: "Quem tem filho grande é elefante"

Mais uma situação em que o ônus parce ser mais pesado pras mulheres.

Elise Machado disse...

Cara, adoro esses "fãs" anônimos, rsrs.

Obrigada, meu ego agradece, rs.

Pena que eu não fazia esse sucesso quando era solteira! hahahaha

Pri Sganzerla disse...

Meu marido agradece... rs Também acho que tem que ser muito macho e ter muito caráter!

Quando eu e meu marido nos conhecemos a minha filha tinha 2 aninhos e eu estava separada há menos de 6 meses do meu ex marido com quem fiquei casada por quase 7 anos.

Além da bagagem emocional e da filha, eu morava em SP e ele no RJ. Depois de pouco mais de 1 ano de namoro a distância, ele bancou me trazer pro Rio, assumiu total a minha filha (que inclusive o considera e o chama de pai) e já estamos juntos há 5 anos.

Sim, existe muito homem legal no mundo. Ainda bem!

Ótimo texto! Bjos!

aime disse...

Meu próprio namorido fala que ficar com mulher "com pacote" é mto complicado q ele nao aguentaria segurar a barra nao....
Eu tb nao sei se aguentaria... talvez preferisse um cara q NAO pode contar com a mãe da criança do q um q tem a mae da criança EXTREMAMENTE presente...

Egoista... mas verdade....

Ana disse...

Mirella,
você já ouviu falar na Cris Guerra??
Ela é uma publicitária mineira que perdeu o marido quando estava grávida de 7 meses do Francisco.
Para elaborar esta perda, ela criou um blog chamado "Para Francisco". Este blog virou livro, como o mesmo nome.
É lindo. Sugiro que vc leia. Acho que vai se identificar muito.

Pri...que bom ouvir vc. Me dá esperanças de encontrar um sujeito bacana.

Ana

Haylla disse...

Que tudo, vou fazer, adoro aprender coisas de maquiagem..
Tem maquiagem da MAC lá no meu blog pra vender a preço de banana flor ^^
Xerinhoo
www.lojazart.blogspot.com

Daniel disse...

Elise,

Me desculpe o comentário de forma grossa, não deveria ser tão estúpido e deveria ter degustado um pouco mais o texto antes de comentar.

Entendi mesmo seu ponto de vista. peço desculpas pricipalmente por analisar e abrir um pouco os olhos para as pessoas ao meu redor (seria fácil não tivesse pensado só em mim num primeiro momento, coisas de homem talvez rsrs).

O fato é que a GRANDE MAIORIA das guardas ainda são maternas. A grande maioria dos solteiros com filhos são mães. E quando digo grande é GRANDE MESMO. EM minha pesquisa rápida, de 18 casais, apenas 2 estão com guardas compartilhadas e dos demais nenhum o pai tem a guarda, ou seja a Mulher sempre assume o filho.

Outra coisa é que o Blog é FEMININO. É seu falando sua vião, não tinha porque taxá-lo de sexista.

Realmente me desculpe pelo tom do primeiro comentário.

Daniel
Um torcedor do NY Giants (hehehe), que acredita que a colher não está torta, ela apenas não existe...

Elise Machado disse...

Torcedor do Giants??!
Ihhhh.... é freguês do meu Saints... rsrs
Tá perdoadíssimo :)

E é isso aí: there is no spoon.

Bem-vindo ao blog ;)

Barbara disse...

Essa é minha vida, mas ao contrário...
Namoro um cara doze anos mais velho, divorciado, que tem dois filhos que passam a maior parte do tempo com ele. Nos damos muito bem, passo bastante tempo com ele e as crianças (que são um encanto), conheci a ex e tenho uma relação cordial com ela.
Temos que pensar em alternativas para as noites e dias em que as crianças ficam com ele: filme infantil do cinema, Hot zone, sábados e domingos vendo Nick, Disney Channel e Cartoon, perguntar aos amigos se pode levar na festinha, ir embora cedo quando leva as crianças...
As pessoas me perguntam como eu tenho paciência...
Na verdade, a relação é ótima e eu sinceramente adoro as crianças, não vejo nada disso como sacrifício, ou como peso.
É claro que temos que preservar os "nossos" momentos, mas é saber conviver com a escolha que EU fiz de me relacionar com alguém que tem filhos e que tem a qualidade rara de ser um pai presente, atencioso e responsável.
Tem também a questão de projeto de vida e de futuro... Eu não sei se quero ter filhos.E só vou tomar essa decisão em definitivo daqui a cinco anos. Então, por enquanto, para mim, as coisas estão resolvidas...
Mas que é um exercício interessante e delicioso conviver com essas novas formas de organização familiar, isso é fato.
E Daniel: te achei um fofo... Se outros homens separados fossem iguais a você ou ao meu namorado, a vida das mulheres separadas seria bem melhor com certeza.
Beijos

Luciana disse...

Sou separada há 10 anos, com um filho de 14, e desde então já tive 2 namorados, que desde que ficamos pela primera vez ambos sabiam que eu tinha filho e nunca, jamais foi problema algum. Acho isso uma grande bobagem, sério, pensei que nem existisse isso hoje em dia. Hoje estou solteira, mas com certeza nada tem a ver o fato de eu ter filho ou não. Ah, o pai do meu filho não mora no Brasil desde a seperação, e nunca foi presente.
E eu mesma antes de casar namorei um homem que já tinha filho e achei o máximo.
Apesar de tudo adorei o post como adoro o blog, mas só quero dizer para as mães solteiras, recém separadas ou viúvas, que a dificuldade de encontrar alguém é praticamente a mesma tendo ou não filhos. Triste mesmo é desistir do amor.

Beijos.

Daniel, me liga ♥