quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

ESPERANDO O RESGATE...


Há muitos anos (muitos mesmo - eu era adolescente, rs) eu assisti um filme que me deu um baque.
O filme em si não era grande coisa, tanto que nem lembro do nome e mal lembro os atores.
Mas numa das cenas finais o assassino estava perseguindo a mocinha, que estava indefesa (sem arma e machucada).
Lembro de ficar muito angustiada (não havia muitos trillers nessa época, como hoje), e eu só pensava "aguenta mais um pouco, aguenta mais um pouco que o fulano está chegando pra te salvar", e a câmera cortava pro mocinho que corria desesperadamente pra chegar onde ela estava.

Bom. Depois dela retardar o assassino durante um tempão, e eu angustiada achando que ia acabar mal, pois o diabo do mocinho não chegava... ELA SE SALVOU.

Ok, falando assim pode parecer uma bobagem. Mas aquilo me deu um tranco na época. Eu estava acostumada com roteiros românticos, onde o policial ou mocinho sempre salvava o final. Não gostei. Tomei birra do filme.
Mas depois a ficha caiu, e fiquei encantada com aquilo: ela SE salvou.

Todo esse "cerca Lourenço" pra abordar justamente isso: pessoas que ficam eternamente esperando resgate.
Não é curioso como algumas pessoas botam a culpa das coisas que acontecem a elas na falta de resgate dos outros?

Ela não arruma nenhum cara legal, mas também fica trancada em casa, esperando o príncipe encantado tocar a campainha e vir salvá-la. Não dá chance pra ninguém que se aproxima, não procura conhecer ninguém. E também não é lá nenhuma "princesa".

Ou ele se sente deprimido, e não faz nada pra sair da situação. Fica esperando alguém resolver pra ele o que está errado, como se isso fosse possível.

Reclama que não tem amigos, se sente sozinho, mas não cativa ninguém. Não cultiva relacionamentos. E ainda exaspera os que tem, cobrando atenção. Não faz novos, ou não tenta ser uma pessoa melhor para eles.

Tem um relacionamento ruim, mas fica lá, sofrendo, se fazendo de vítima, esperando um "cara maravilhoso" aparecer e dizer "larga elefoge comigo, eu vou ser o homem da sua vida", ao invés de tomar as rédeas da situação e largar logo o cara.

Está insatisfeito com o corpo, mas fica com rancor "se eu pudesse fazer uma lipo, aí sim...", ou "pra ele é fácil falar, ele tem tempo pra malhar". Fica esperando sei lá o que cair do céu pra resolver a situação. Alguém segurar ele pela mão e levar pra academia, só pode.

Eu sou suspeita pra opinar pelo seguinte: tenho paciência zero com vítimas.
Veja bem, tenho muita compaixão por pessoa VITIMADAS por qualquer situação; quem nunca foi vitimado e sofreu?
Mas SER VÍTIMA é uma coisa que você incorpora ou não.
É a diferença entre o paraplégico que fica feliz porque sobreviveu, e parte correndo pra fisioterapia, e o paraplégico que fica se lamentando pelos cantos a perda e passa o resto da vida bebendo pra esquecer.

Sofrer ou estar desgostoso com alguma situação na sua vida é normal - NORMALÍSSIMO
(em 2010, por exemplo, foi normal pra caralho pra mim, rs)
Você até passa pelo estágio de negação e depressão, mas tem que ser breve.
Esperar que alguém resolva a situação pra você, enquanto você banca a donzela desamparada no canto, não.
Culpar os outros porque não são condescendentes e vem te salvar, não.

Eu sou a maior defensora do direto das mulheres serem tratadas como mulheres, você sabe. Tenho lá meus ideais românticos, e acho essa coisa do resgate até bonitinha.
Mas tem que ser voluntária e você não pode contar com ela!
Se VOCÊ não se resgatar, não há garantias de que alguém mais vá!
Não adianta esperar os outros e culpá-los quando eles não vem.

Se você tiver apoio e alguém cuidar de tudo por você... show.
Tá no lucro.
Mas esse não é o normal.
Nós temos que poder contar com nós mesmos. Isso não é individualismo.

Merda acontece na vida da gente e se não tem jeito, que pelo menos a gente aprenda alguma coisa com ela.
Nem que seja olhar pro PRÓPRIO UMBIGO e ponderar se não é A GENTE quem está fazendo alguma coisa muito errada.

Temos que ser os nossos próprios heróis.
Nos salvar das situações que nós mesmos criamos.
E por vezes nos salvar de nós mesmos também.

19 comentários:

Renata Mel disse...

Caramba Elise, mais um texto foda!
Vc escreve umas coisas maravilhosas, reais e muito reflexivas!

Anônimo disse...

"Temos que ser os nossos próprios heróis.
Nos salvar das situações que nós mesmos criamos.
E por vezes nos salvar de nós mesmos também."
FOI UM PUXÃO DE ORELHA PRA MIM!!OBRIGADA!RSRS
Ótimo texto!Ganhou uma leitora!
Bete

Vanessa N. disse...

Post perfeito!

Parabéns!

Sucesso em 2011!


Beijos!

Daniel disse...

Moça Elise...

Refletir é sempre crescer.
Tudo tem seu tempo. Mas ser vítima é se entregar ao agressor.

Beijos do Saladeto,
Daniel

Val- Coisas da Val disse...

Apoiado! Mas, cá prá nós, é difícil...

Maela disse...

Eu sei como é fácil falar : "vai lá e faz".

Eu vou lá e faço, para mim é simples, minha história de vida me fez assim.

Eu poderia ter outra atitude diante da tragédia de minha vida, poderia ser revoltada, drogada , infeliz, odiar, mas algo dentro de mim me fez crer que eu poderia mais.

E pude!

Deixo a dica para quem sofre pq quebrou a unha ou chora 2 horas poruqe ele não ligou!

O importante é você, se você não se salva.... porque outra pessoa tem que fazer?

Mon Chéri disse...

Realmente paciência zero com vítimas aqui tbm.

E olha que em casa tem as tais "vítimas" saindo pelo ladrão. Porém parecem não enxergar a situação lamentável em que se encontram.

Chega a dar pena. Mas só um pouquinho pq tbm não tenho paciência.rs.

Bjs.

Hellen disse...

Aprendi isso a duras penas (com a doença de minha mãe e seu posterior falecimento aos 51 anos 1 ano atrás exatamente por ser uma "vítima" da vida e das pessoas) e só posso dizer uma coisa: na nossa vida somos nossos maiores heróis e salvadores. Se não formos capazes de fazermos por nós mesmos o que gostaríamos que outras pessoas fizessem (ou o pior - o que muitas vezes fazemos pelos outros), vamos aprender da maneira mais cruel que, quando mais precisarmos, pode ser que ninguém chegue.
Hoje me salvo, me guardo e sou muito feliz e orgulhosa disso.

Van disse...

Sem palavra...Post mais q perfeito!

bjo

aime disse...

Elise, PERFEITO!

Acho que se existe alma gemea de pensamento. VC seria a MINHA!!!! hahahahaha

POutz, oq eu vejo de pessoas que sao Vitimas de TD!!!! Tem um cara chamado Gaspareto, nao sei se vc conhece?
Ele é espírita, eu particularmente gosto dele pelas verdades que ele fala, ele tinha um programa de radio na Radio Mundial Fm... Eh uma radio tb voltada pra mesma religiao e coisas holisticas. Religiao à parte.... Q nao eh oq me interessa no conteudo dele...
Ele diz que as pessoas fazem e agem e depois nao se bancam, nao aguentam sofrer as consequencias, daí senta na almofada do POBRE DE MIM e fica lá se fazendo de vitima da vida pra td e todos.
PElo menos pra mim, na minha vida.... POr mais que eu ame, ADORE, nao viva sem, nao posso deixar q akilo/pessoa faça da minha vida um problema... Ngm pode ter o poder de causar danos em mim, ngm tem, só tem poder akeles aos quais DAMOS esses poderes. DAI depois que vc DEU poder pra isso te afetar, nao adianta falar que foi VITIMA.
Excluindo as REAIS vitimas. CLARO!

Quarto de Despejo disse...

Eu também tenho paciência ZERO com esse tipo de pessoa!

E o mais interessante: já reparou que as vítimas reais, assim que tomam pé da vida, normalmente correm atrás de saírem da condição de vítima?
Ao contrário das outras que o grande barato é ser vítima a vida inteira.

Renata Soares disse...

TEXTO-TAPA-NA-CARA! Simplesmente mais post de utilidade pública! Concordo com tudo e muitas, muitas vezes estive nessa condição e é verdade: ninguém arromba a porta da nossa casa, pega na mão e leva a gente pra ser feliz..

Ju Couto disse...

Po Elise vc escreveu pra mim? kkkk
To puta hj, acho que o que vou escrever serve para esse post e para aquele do cavalheirismo.
Porr... tu mora no recreio e vai entender o que to falando, voltei tarde ontem e para não sobre carregar o p do meu marido na direção (moramos em jpa) dormi na casa da mae dele em Vargem pequena contando que ele me levaria pelo menos no Recreio para pegar um onibus pra barra onde trabalho,(sou boazinha nem pedi pra me levar direto na barra, erro!!) ele não quis acordar e eu me fudendo peguei dois onibus depois de 1 hora e quase sendo atropelada naquela merda da Estrada dos bandeirantes, que nem tem acostamento. É pra largar né não?Eu até quero mas morro de medo de ficar sozinha e não achar ninguem melhor, tenho 31 anos e um filho de 1 ano e meio, alguem vai encarar? duvido muito.Preciso de uma resposta individual hj rsrsrsrs tô brincando! Bom dia pra vc tb argggg. Obs:Ahh eu sou aquela que escreveu o post da louça do cavalheirismo.

Elise Machado disse...

Que bom que tantas pessoas gostaram.
Eu pensei um bocadão antes de escrever esse, viu? :)

Ju, vc merece resposta individual hj, rs.
Assim, quem sou eu pra dizer "separa" ou não, né gata? Muita responsabilidade.
Mas eu fiquei com o cabelo em pé com a história (talvez por conhecer beeeeem os lugares, rs).

Eu acho que se vc chegou a cogitar separar por causa desse tipo de coisa, é porque o negócio não anda bom, e qualquer falta de atenção deve estar virando gota d'água, né?

Pensa bem. Ficar junto ou separar é uma decisão importante e sua.
Mas ficar com medo, se essa for a vontade, não vale.
31?? Você é nova!
Pensa o contrário - se vc arrastar uma situação por alguns anos e no final tiver o mesmo resultado... vc não vai ter 31, vai ter 36!

Separar é uma bosta, eu acho.
Mas às vezes é a solução. Se for, quanto mais rápido melhor. Pois vc não perde tempo numa coisa que já não existe mais.

Por outro lado... seu baby tem um ano; vc deve estar cansada e estressada ainda. De repente uma conversa, uma bela DR resolve a coisa, né??
De repente ele tem motivos pra agir assim, e você nem desconfia.
Ouvir o outro lado é sempre bom - a gente se surpreende descobrindo que as situações não são só como a gente enxerga.

Anyway - esfria a cabeça antes! rs

Beijas.

R.Chadud disse...

Muito bom o texto, é uma inspiração para a minha mudança agora em 2011.
Realmente "Temos que ser os nossos próprios heróis.
Nos salvar das situações que nós mesmos criamos.
E por vezes nos salvar de nós mesmos também.".
Parabéns pela escrita, muito motivadora!(Repetente, mas o que vale é a intenção xD)

Simone Souza disse...

Amei!!
Obrigada!!
bj

Cíntia Peres disse...

Esse pra mim foi o melhor post!
Todo mundo deveria ler esse seu texto. Sabia que essa coisa de se fazer de vítima contagia? Muita gente hoje em dia (inclusive eu) tem reclamado, reclamado e SÓ, não faz nada pra mudar, pra se sentir melhor! Brigada Elise, seu texto veio na hora certa!

Jussara disse...

Adorei o texto!
Mandei pra uma prima pq achei que tinha a ver, e ela disse "que maravilha de texto". Que a fez refletir e que ela vai tentar se resgatar. Ela já passou por muitos problemas sérios, tanto de doença quanto de relacionamento, e acabou engordando muito por causa disso, o que tb desencadeou uma depressão. E as duas coisas andam juntas...
Enfim, acho que todos nós nos fazemos de vítima em algum ponto. Parabéns pelo texto! Vc estava inspirada.

Ju Couto disse...

Valeu pela resposta individual Elise!!!! Adoro seu blog leio todos os dias!