sábado, 26 de março de 2011

REFLEXÕES MELANCÓLICAS DE UM FINAL DE SEMANA QUE TINHA TUDO PARA SER BOM. MAS NÃO FOI.

(imagem: reprodução)

Quando eu era criança, eu não entendia a gravidade das coisas.
E se tinha uma coisa de feliz nisso, é que eu superava tudo pelo simples fato de não dar mais importância às coisas do que elas realmente tinham.

A gente costuma olhar em volta e dizer: céus, quando é que tudo começou a ficar tão difícil?
E a resposta é simples.
Não ficou.
Na verdade não é a vida que ficou mais complicada e difícil - nós é que envelhecemos.
E não importa se o seu envelhecer é de 30, 40, 50, ou 60 anos.

Simplesmente a sua tolerância e resistência à sobreviver é que vão se esvaindo.
Estou ficando piamente convencida, inclusive, que os idosos não morrem de velhice, doença e tal.
Eles se cansam.
Eles desistem de lutar.
De repente, a sensação de dar murro em ponta de faca, que te assolava há 20 anos, fica demais.
Game over.
Chega, não aguento mais, e aí me despeço.

O famoso "pára o mundo que eu quero descer".
Acho que é isso.

Porque, veja, as coisas sempre são difíceis.
Sempre.
O que muda é a forma como reagimos a elas.
Como lidamos com elas.

Se você olhar pra trás, vai perceber que sobreviveu a coisas inomináveis e incontáveis.
Eu sobrevivi.
Tanto e tantas vezes, a coisas que hoje me assustam só de lembrar, que me espanto de coisas menores terem tanto poder sobre mim, agora.
Pode-se dizer que eu sou praticamente um GI-Joe em sobrevivência.

E não estou nem falando das coisas psicológicas não.
Tou falando inclusive de sobreviver a coisas físicas e reais - como assalto dentro de casa, com arma na cabeça, e tomar pedrada até ficar com o pescoço paralisado, em arrastão.
E, tá lá.
Passou.
Passei.

Então não está mais difícil - estou mais velha.
Mais cansada.
O dragão que eu enfrentava ontem cheia de disposição, aquele pra quem eu ria e dizia: "vem!Vem!", hoje está me ganhando.
Me batendo feio.

É o cansaço.
Emocional.
Acho que quando somos muito jovens, somos muito heróicos.
Somos dispostos a brigar com o mundo pelas coisas.
Somos capazes de dar uma reviravolta só pelo prazer de contrariar.

Me aconteceu isso, assim e assado?
Pois toma! Vou dar um jeito.

E hoje.... quando as tempestades chegam (não aquelas lindas e deliciosas que eu tanto amo, as tempestades da vida mesmo), ao invés de fazer bravata, ao invés de assombrar o mundo com meu espírito indômito.... eu me curvo.
Me dobro.
Sucumbo.

E não quero, veja bem.
Odeio isso.
Odeio não estar otimista.
Odeio a fraqueza, odeio, odeio!!
Seja minha ou nos outros.
Sou uma pessoa terrível, que não perdoa os fracos.
Os menos aptos.
Os que não se adaptam.

Não quero estar tão cansada.
Não quero pensar "de novo?"
Mas também não queria só sobreviver, pôxa!
Cadê o viver??

Será que o universo nos coloca à prova quantas vezes?
Que porra de karma é esse, que eu tenho que mostrar que aguento over and over again???
Já não deu? Não tá bom?

A vida pode ser gentil comigo agora?
Porque, na boa, ela não é.

Não se iluda com as minhas histórias de felicidade, de família, de humor.
Isso é tudo que eu escolhi fazer e ser.
Escolhi.
Nada veio de mão beijada.
Nada.
Nada teve a ver com sorte.
Nada.

Nem amor, nem casamento, nem vida familiar, nem trabalho.
Nada.
Tudo escolhas agarradas com unhas e dentes.
Decisões tomadas conscientemente, e muito, muito esforço pras coisas darem certo.
Pra chegar até aqui.
Feliz?
Claro, há felicidade e muita.
O tempo todo.
Mas por que foi escolhido assim.

Foi escolhido sempre olhar o bright side.
Não importando a merda que desse.
Viver o apesar de....

E aí você envelhece um pouquinho mais e... cansa.
E além de lidar com o problema e com o cansaço, ainda lida com a raiva e a frustração, de não estar reagindo tão bem à situação.
Você se cobra muito?
Eu sim.
Muito, muito, muito.
E quando não reajo de acordo com meus padrões de comportamento, que eu mesma estabeleci, fico puta da vida.

E é isso agora.
Cansaço.
Raiva.
Vontade de reagir, de reagir ao todo, mas faltando força.

Pra expulsar um mau momento.
Com medo dessa temporariedade que tá virando permanência.

E não, o universo não tá dando respiro.
Mas também as coisas não estão tão mais difíceis assim.
O que há é uma combinação de coisas.
Uma baita falta de sorte.
E nós já velhos demais pra continuar a achar graça nela.

28 comentários:

Anônimo disse...

Que medo! Eu deitada na cama, no escuro, sentindo exatamete isso, pensando exatamente nisso e desse jeito, entro aqui e leio o que escreveu e penso que eu poderia ter escrito exatamente igual! Sintonia! Não sei nem o que falar... Chorei!
Fiquemos bem...
Ana

Anônimo disse...

Elise,

vc ta precisando de férias!
Eduardo.(seu leitor diário)

Michele P. disse...

Elise

Estamos na mesma sintonia, ao que parece. Chega um momento que cansa, que queremos desistir. Mas isso passa, sabemos. Já disse Guimarães Rosa: "A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem!"

Coragem moça!

Um abraço

Mirella de Oliveira disse...

Toda e qualquer pessoa começa a morrer aos pouquinhos se deixa de ter esperança na VIDA. Não só os velhos. E quem disse que viver não dói?? Dói e muito. E muitas e muitas vezes. Mas veja bem, você tem momentos e motivos alegres! Foque neles. Está se sentindo cansada, chérie? Deixa o sentimento tomar conta... SINTA-SE cansada. Que esse sentimento dure o quanto for necessário. Chore, chore, chore, surte, desabafe. Mas não, POR FAVOR, não deixa de ter fé, esperança e vontade de enfrentar os dragões.
E não sinta-se culpada por não reagir conforme seus padrões de comportamento. Você não está velha demais pra continuar achando graça da vida. Isso é BESTEIRA, não pense assim. Eu acredito que, se você acredita que pode, ou acredita que NÃO pode, de qualquer maneira você tem razão.
Ahh, chérie, espero que essa melancolia passe rapidinho. Mas que dure o que tiver que durar. "Que o recuo seja o necessário pra que seja dado um grande impulso!"
BEIJAS BEIJAS BEIJAS

Jussara disse...

Não vou escrever nada que console pq tb me sinto assim. Os dois trechos abaixo são a minha cara.

"Não quero estar tão cansada.
Não quero pensar "de novo?"...

Será que o universo nos coloca à prova quantas vezes?
Que porra de karma é esse, que eu tenho que mostrar que aguento over and over again???
Já não deu? Não tá bom?"

Sei lá se é a idade, mas que eu já cansei, isso já.
Melhoras pra vc.

Aime Chiquini disse...

Poutz, Elise, não há o que dizer....
Não dá pra consolar... Pq não existe consolo nessas horas....
Não sei bem o que está acontecendo ai com o Jack, não sei o tamanho do problema. Nem sei qual foi ou será a solução.
Sei que quando estamos num limiar da vida em que as dúvidas são bem maiores que as certezas, a gente nao quer consolo, a gente quer viver isso o mais rápido possível pra ver se passa... Se melhra...
Eu espero que todos esses problemas melhorem RAPIDO!
se solucionem rápido, da melhor forma possível...
E assim com as coisas se resolvendo, vc volte a ter certeza que tudo o que se passou não foi o Universo te provando e sim te mostrando que por mais descrente na vida e nas coisas, que por mais cansada, vc é capaz mais do que nunca de se superar.
E continuar vivendo não apesar de tudo e sim ACIMA DE TUDOo que aconteça!

Fique bem, se quiser chorar chore pra espantar os demonios e não se afogar nas dúvidas.

Esperamos mais notícias!!!!!

Beijão

Pri disse...

Eu gostava tanto de ser criança, mas a gente tem que crescer isso não é uma escolha é um fato. Mas passa, essa fraqueza é só momentânea. Beijos.

Islane Priscila disse...

Esse texto descreve a minha vida no momento...

Anônimo disse...

porra elise.para com isso..volta pra terapia.

Andréia disse...

Acho que isso acontece porque à medida que envelhecemos, começamos a enxergar o mundo de uma forma mais ampla, mais realista. Quando jovens, não temos preocupações, afinal, temos tudo que precisamos dado por nossos pais, avós ou afins.
Também estou em uma fase assim, parece que nada dá certo, nada está bom ... As pessoas estão alienadas, mas infelizmente eu não. E nesse mundo de mata-mata, é melhor adquirir anticorpos diariamente, senão, a dor pode ser horrível.
Eu busco manter o equilíbrio, porque senão fico louca. Procuro me desligar desse mundo horrível e me ligar em pequenas coisas que as pessoas não dão valor, por exemplo, sempre que estou no ônibus, ao invés de ficar ouvindo aquelas conversas insuportáveis ou funk (porque celular de funkeiro tem tudo, mp3, câmera, passador de café, menos fone de ouvido), eu olho pro céu, que por sinal sempre está lindo, e me desligo de tudo ... procuro pensar em coisas e momentos bons ... Quando pego o ônibus para ir ao cursinho, ao invés de reclamar por acordar todo dia as 4 horas da manhã, procuro admirar o nascer do sol ...
Tente fazer isso, talvez ajude em algo ...

iara disse...

guria, vc está muito pisciana hoje hein!
Num esquenta nao, fica calma amanha tudo melhora, a vida é assim mesmo cheia de altos e baixos num é verdade.
adoro o blog.
bj

Denisinha disse...

Ser forte é admitir-se fraco em algumas situações. Viva a sua dor, mas lembre-se de que tudo passa, sempre.
Se cuida.

Andreia disse...

Vc é ótima !! Consegue escrever o que todos passamos e as vezes não conseguimos verbaliar. Muitas vezes tb me sinto assim.

Bjos e q tudo melhore, ou que pelo menos achemos uma forma de rejuvenecer, nem q seja só um pouquinho.

Bia disse...

Eu não sei se esse seu post funcionou como um abraço apertado ou um chute no saco...quando eu decidir eu te conto!

Henrique disse...

O tempo irá curar...

Logo logo a vida voltará a florir.

Um abraço

Henrique disse...

Muito interessante seu post.

E gostei da sua dose de realismo.Infelizmente, muita gente vende em blogs, orkuts e coisas do tipo que são pessoas 100% felizes.A partir desse seu post, te enxergo mais humana e imperfeita e nisso que reside a beleza das coisas.Por mais paradoxal que seja, a beleza precisa de uma pitada de imperfeição.

Mas penso que seria bacana que se você colocasse mais flexibilidade em você mesma.Somos pessoas reais, humanos, demasiadaamente humanos.E não há porque se apegar veementemente a valores que nem sempre nos servem mais.
Lembro de Demócrito, filósofo grego.Esse filósofo costumava a rir do absurdo das coisas.Tanto a alegria como a tristeza ou qualquer outro estado de espirito era motivo para o riso porque ao final nada disso é estável e tudo muda.

De uns tempos pra cá, tenho feito esse exercicio do riso.Já acordo e olho no espelho e dou umas gargalhadas.É estranho no inicio, mas depois fica algo hilariante digamos assim.Se puder experimentar isso, acho que será legal.

Abraço

Luciana Leal disse...

Minha amiga do coração, porem distante:
Eu passei por isso no ano passado. Eu estava tentando engravidar a quase dois anos e a cada mês eu passava por um periodo de esperança e frustração. Parece mesmo que o mundo (ou Deus, ou a vida, sei lá) está te punindo, que nós não merecemos sermos felizes como as outras pessoas. A cereja do bolo foi a morte da minha avó, dois meses antes de eu conseguir engravidar. E quando eu peguei o meu positivo eu tive certeza: não há mal que sempre dure e nem bem que nunca acabe.
A vida é mesmo uma sucessão de tristezas e alegrias.
Se prepara que algo maravilhoso vai te acontecer em breve!!!

Juliana disse...

Poxa, chérie, o finde prometia ser tão bom, e já percebemos que está foda foda foda, mas o que te aconteceu? Incidentes pontuais ou uma melancolia generalizada que não larga do seu pé? Jack piorou?

Andréa disse...

A maior merda do universo é envelhecer chérie.
Eu sei bem o que é isso,eu sei o que é olhar pra trás e descobrir que a força ficou lá.
Mas nem tudo é um lixo.
Envelhecer traz coisas boas tbm.
Vc deixa de dar importância a determinadas coisas que antes eram cruciais.
A gente fica mais solta tbm,acredite.
A gente passa a achar divertido ficar até meio dia na cama e ver o resto do mundo se fodendo.
Descança,assim que o Jack melhorar tire um dia só pra vc,nem que seja pra ficar na cama,faça isso.
Fique bem amiga.
Beijas.

Daniel disse...

De tanto respirar ar, o peixe morre.
De tanto ser feliz perdemos o prumo.
Deixamos para traz caminhos e rumos.
E então reclamamos da falta de sorte.

O que mais aprendemos com nossos erros.
É que não somos perfeitos, falhamos.
Independe do estado que nos encontramos.
Independe das pessoas com quem vivemos.

Deixamos de querer acertar o mundo.
E nele apenas continuar sobrevivendo.
Mas chegamos nesse poço bem fundo.
E ainda estamos cavando e descendo.

A rotina que enforca e nos deixa mudo.
E quando olhamos estamos correndo.
Sem um objetivo, um norte, um tudo.
Que vira um nada, fim de um pesadelo.

Todos temos nossos dias de fúria.
Todos temos nossos dias de agonia.
Por mais que tentemos não desabar ou desistir, as vezes a água fria da realidade nos cobre o corpo e acordamos com um pessímismo sem fim.

Não tenho o que dizer para animar, apenas peço, se é que posso, olhe quanta gente te lê, te responde, se preocupa contigo e o quanto você tem de sucesso e carinho. Tente usar isso como motivação, além das que você já tem.

Desistir é para os fracos, mas não somos sempre fortes.

Beijos do Saladeto #1,
Dan

Tati Gomez disse...

Elise, vc é Fo**...!!
Puts, é a primeira vez que comento sobre isso, mas não é a primeira vez que o texto 'encaixa'! Rs caramba!!!
Parece que você lê a mente de suas seguidoras, e escreve exatamente o que eles precisam para dar um up no humor...nem tudo é tão ruim que não tenhamos enfrentado antes...justamente encaramos de outra maneira, sem perceber que já passamos por cima de tanta coisa pior...!
Parabéns viu....!! =)

Beijo.
Tati

Cris disse...

Ele vai ficar bem Elise.

Beolina disse...

É bem isso mesmo, Elise.. não são as coisas que mudam, somos nós. Quando jovens somos muito valentes, achamos que nada poderá nos vencer, mas depois vamos aprendendo que é uma guerra eterna, um esforço contínuo para se manter de pé no matter what. O jeito é continuar mesmo... cansados ou não. Força aí pra vc.
Abraços.

Izabela disse...

Elise...sei que não tem nada a ver com este post mas estava vendo que seus caninos são Dachshunds... Só queria te alertar sobre os hábitos dele de subir e descer em camas, sofás e até pequenos degraus. Nessa raça é comum eles desenvolverem problemas de coluna e em algumas situações perderem (momentânea ou permanentemente)o movimento das patinhas... sei que é triste mas como já passei por isso com o cãozinho da minha sogra achei por bem alertar... é possível evitar... cuidando ao máximo pra que eles não forcem a coluna!!!
Beijinhos e dá uns apertos nos caninos por mim... =)

Mari Paes disse...

Flor, chorei... ando me sentindo assim e luto contra, todos os dias luto contra a vontade de ficar na cama esperando o mundo acabar em barrancos pra eu morrer encostada!
Quando temos opiniões, caráter e defendemos isso com unhas e dentes, acabamos passando a maior parte do tempo remando contra a maré e engolindo sapo...
Às vezes penso... "até qdo vou aguentar"? Sempre tive esse espírito indômito tb, mas ultimamente ando bem puta comigo mesma, pq não admito fraqueza e ando fraca... cansada de apenas sobreviver, como vc mesma disse.
Rezo meus mantras pedindo sabedoria para lidar com isso... é o que tem me mantido de pé, o que me faz sair da letargia!
É difícil, mas se eu estou conseguindo, vc também consegue!

NAM-MYOHO-RENGUE-KYO pra vc (é isso que rezo nos momentos piores, é a síntese da lei mística budista, que recitamos para despertar o buda que há em nós!

Grande bjo no coração e muita luz e sabedoria pra esse momento!

Anônimo disse...

Entendo você. Concordo que parece que cada dia, um acontecimento ruim nos deixa mais fraca. Estou numa fase parecida, e por mais que eu lute como sempre lutei, as forças do outro lado são maiores. As vezes eu não queria me importar tanto com as pessoas ou aquilo que amo, e não ser tão responsável e sensata, porque se por um lado é bom porque conquisto (mesmo que à duras penas) meus objetivos, faz com que eu esqueça um pouco dos meus próprios sentimentos, me deixando em último lugar. Daí se acontece algo contra mim, vem aquele baita sentimento de injustiça que derruba e me faz perguntar - Porque? Posso ter paz, pra variar? Não mereço um período maior de águas calmas?
Então eu me apoio e busco um pouco daquilo que proporcionei - ombros amigos.
E acredite, tem muita gente que nos ama. Somos únicos e fazemos sempre a diferença. A tristeza faz parte da vida. Só não devemos sucumbi-la. Não podemos. Se é o que vivemos dizendo pra quem gostamos, para que se levantem e continuem a lutar, porque não ouvimos nosso próprios conselhos?

Comecei a me ver como vejo um amigo. E não exigir demais de mim mesmo. Seja gentil com você, assim como é com as pessoas. Se olhe e se critique como faria com sua amiga Déia, por exemplo... cuide de você com muito carinho. Você é a luz de pessoas como o B, a sua filha, sua mãe... entre outros seus.

Grande abraço de força Elise, sou sua seguidora, mesmo não comentando diariamente, mas acredito em você e na sua capacidade de reerguer diante dos problemas da vida.
Bjus
Laine

Camila Monteiro disse...

Elise, esse teu texto veio muito a calhar com o que to vivendo hj. Confesso que vim aqui buscar umas risadas e encontrei mais que isso, econtrei uma pessoa de carne e osso e principalmente alguém igual a mim.
As vezes te imagino com a vida perfeita que eu gostaria de ter, com aventuras e loucuras, um amor lindo, uma profissao maravilhosa, mas esqueci que vc tem problemas tb, assim como eu!

Vc é uma batalhadora, porque conseguiu um lado bom pra viver, mesmo com os atropelos veja ao seu redor, vc tem muita coisa boa, muita coisa legal!
Venho aqui diariamente buscar inspiracao sabia? Vc me inspira, me faz me sentir melhor e ter certeza que eu posso ser ELISE qaundo eu crescer!
Beijos, te adoro mesmo nao te conhecendo pessoalmente!

Juliana disse...

Idem.

A última da vida foi tirar eu e o namorado do Rio de Janeiro e oferecer um trabalho bacana pra ele em Ribeirão Preto.

Fomos.

Faz 5 meses.

Ele acabou de ser demitido.

E não temos nada.

Ele vai ter que recomeçar pela enésima vez. E eu vou ter que voltar pra casa da minha mãe até vermos que pé vai tomar.