segunda-feira, 18 de abril de 2011

ANJOS DISFARÇADOS

(imagem: reprodução)

Não importa a sua religião.
Ou a falta dela.
Não importa se você é carola, ou se, como eu, é cético e racional até o último fio de cabelo.
Todo mundo em algum momento, esbarra com o desconhecido.

É tocado, ou resvalado por alguma coisa que simplesmente não pode explicar.
Que foge ao entendimento.
Que chama a atenção pela estranheza e pelo inconcebível.

E se dentro da sua fé você consegue uma explicação racional para o fato, que bom pra você.
Mas normalmente a coisa fica assim: insondável e misteriosa.
E martelando na sua cabeça.

De todos os esbarrões com o inexplicável que eu já dei, um me chama a atenção: os anjos da guarda.
Péra que eu explico, antes que você comece a dar muita risada do ridículo - eu, falando de anjo da guarda, rs.
Esqueça as imagens pré-concebidas de um ser com asas.
Não é disso que estou falando.

Estava conversando com um amigo, e ele me disse que das coisas que acredita, essa é uma delas.
Curioso que pra mim também é assim, ainda que de uma forma diferente.

Porque, se anjo da guarda convencional existisse mesmo, e todo mundo tivesse um, ninguém mais se machucaria, ou nenhuma criança morreria, ou seria morta, e coisas assim.
Onde diabos estava o anjo das crianças que foram mortas na escola?Enfim.

Mas.
Vez ou outra, inexplicavelmente sinto que há algum tipo de intervenção.
Se é algum tipo de anjo, ou coisa que valha, não sei - pois é aleatório.
Mas...

Sabe quando do nada uma pessoa aparece na sua vida, muda uma pequena coisa, ou te guia numa determinada direção, te dá um conselho, te apresenta alguém, ou coisa boba assim? E no final aquilo é decisivo? Crucial?
E aquela pessoa parece ter feito aquela intervenção só naquele momento, só especificamente para isso?

Já me senti inclusive instrumento disso, me sentindo compelida a fazer alguma coisa específica (que normalmente não faria) para alguém.

Ou quando você está a ponto de tomar uma decisão fundamental, e da qual você está certo e de repente te dá uma coisa por dentro, um sentimento absurdo e inexplicável que não é pra seguir adiante, e aquilo depois se confirma?

Não sei se isso é anjo ou o quê, mas o nome anjo é uma convenção mais fácil de usar.
Por que naquele momento?
E por que para aquilo especificamnete?
Não sei.
A explicação me falta.
Mas, entendendo ou não, eu sinto.
Sinto quando acontece.
E não é piração, que eu não tenho tendência a pirações desse tipo.

Por exemplo.
Uma vez uma pessoa da família estava desempregada e precisando muito de emprego.
Já tinha mandado currículo pra todos os lugares viáveis, pois a profissão dela era muito específica e de pouco campo.
Fiquei sabendo disso numa conversa banal, com a minha mãe.
Eu falo com essa pessoa no máximo 1 ou 2 vezes ao ano, embora goste muito dela.
Cara, me deu uma coisa.
Na mesma hora eu sentei no computador, entrei no site de uma instituição específica (e só essa) e, sem perguntar a ela se tinha interesse ou se tinha mandado currículo para lá, mandei um email como se fosse ela, perguntando se havia uma vaga. Não havia anúncio de vaga aberta nem nada.
Por que o meu interesse? Não sei.
Por que praquela instituição específica, dentre trocentas outras? Não sei.
Por que mandar email perguntando se havia vaga, sem consultar a pessoa? Não sei.

O que eu sei é que essa instituição foi a que pediu um currículo da pessoa, e calhou de ter sim uma vaga que encaixava como uma luva para ela.
E ela acabou contratada (e ficou lá muitos anos).
Por causa de um impulso.
Foi isso que eu senti - um impulso.
Não foi racional. Não foi um plano. Não foi uma busca.
Eu sentei e mandei um email.
Direcionado.
Específico.

Parece bobeira, né?
Mas pergunte à pessoa se ela achou bobice!
Aquilo foi crucial naquele momento da vida dela.

Eu sou uma pessoa boa, maravilhosa e interessada pelos outros?
Não, não sou - e isso só reforça o estranhamento, pois não é uma ação comum pra mim.
Eu sou um anjo então?
Rárá, longe disso. Looooonge disso.
Mas senti depois que alguma coisa agiu através de mim.
E já senti outras vezes, comigo e com outras pessoas.

Anjo?
Destino?
Karma?
Ying-yang?
Não sei.
E não sei porque especificamente pra algumas coisas.
Porque elas seriam mais importantes do que outras.
E porque naquele momento determinado.

Mas esse felizmente é um esbarrão no desconhecido que te deixa com um gosto doce na boca....

15 comentários:

Rick disse...

Vão me descer o pau e o cacete, mas não me importo nem um pouco...
Isso tudo, pra mim, tem um nome:

Deus se movendo através de pessoas.

Por que ele faz isso?
Não sei.
Por que não faz sempre?
Também não sei.
Por que permite que certas desgraças aconteçam?
Acho que pelo livre arbítrio...

De qualquer forma, adorei o texto.
Já aconteceu comigo, tanto de um lado quanto do outro.
E também acho o máximo.

Beijas!

Beatriz C. disse...

Flor, tá rolando sorteio de um pincel da Sigma no meu blog, confere lá!

beijinhos

http://ledonnepiubelle.blogspot.com

Beatriz disse...

Essas coisas são bonitas né. Deixam até a mais cética das céticas (como eu!) abobalhada. Mas temos que dar chance também pra esse acaso nos "abençoar"!
Beijos!

Anônimo disse...

Lindo Elise, concordo totalmente com o post e me sinto da mesma forma.
Um dia ainda conto a história de como conheci meu noivo, mas foi numa situação que lembra muito essa que você citou, um impulso que me deu do nada, e depois um acaso totalmente aleatório, fica difícil não acreditar que tinha algo atrás/em cima/do lado de mim me dizendo o que fazer.

ni

Cici disse...

Uma vez meu pai precisa arrumar umas coisas no cargo dele (coisa de burocracia) apenas para conseguir colocar meus avós (de 80 e 90 anos) no plano de saúde...só que...o negócio era complicado (MTO)...um dos chefes dele ficou sabendo e disse p ele que ia dar um jeito e arrumou tudo. Quando meu pai foi agradecer, o cara respondeu: "Ué, mas eu fiz isso? Como? Eu não me lembro!"

Anônimo disse...

Pois é... e é muito mais comum do que a nossa percepção consegue captar, e como disse o Rick, é questão de livre arbítrio, as escolhas que são feitas a todo momento... não foi de uma escolha aqui outra ali que você formou essa família linda que você tem? Imagina quantos "ses" tem na nossa vida... se vc ou ele não tivesse ido ao lugar, se não dessem importância um ao outro, se... só coincidências da vida, ou uma força, energia, Deus. Já vi muita gente dizer não crer em Deus, mas é bem raro algum louco negar a presença de algo que foge completamente da nossa compreensão...

Anônimo disse...

Oi, Elise!
vamos pular a parte em que tu escreveu "Ying-yang" e eu li "Ylang-ylang" e ainda pensei "mas que que tem a ver?"...

Aos anjos.
Amo o filme "Cidade dos Anjos".
Ele mostra bem isso, a orientação do impulso, aquilo que não me deixa ficar quieta ou me trava a língua; que me faz virar a esquina, em vez de seguir pela mesma rua; que me traz as palavras certas pra a quele recurso que tá a um dia do fim do prazo e até que mez sorrir pra alguém que me olha na rua.

Adoro a ideia de ter alguém perto de mim, livre das dores do mundo, perto das luzes divinas.

Adorei o post!
bj

Edu disse...

Acho que isso deve ser intuição...

Aime Chiquini disse...

Eu não sei o nome disso.. Talvez seja consciencia de que no fundo vc pode fzr mais!!!!!
não sei. Talvez se tivesse lido isso há no mínimo uns 2 anos e meio atrás eu poderia te explicar de milhares de formas difernetes. Minhas crenças mudaram TANTO!!!!
Mas acho que dentro de nós há algo divido. Não algo tipo deus. Mas algo livre de preceitos, preconceitos, maldade, egoísmo, algo além... Q nos faz ter esse ímpeto, esse impulso de fazer algo por alguém que usualmente não faríamos.
Não sei se podem ser anjos, deus, santos... Mas eu penso que somos nós vendo que nós mesmos temos o poder de ajudar alguém que nem sabemos que poderíamos. E ficamos embasbacados com o nosso próprio poder ao tomar uma atitude.
Q confuso. nem eu sei se ficou claro!!!rsrsrs
Beijooooo

Maela disse...

Comigo já aconteceu, coloquei o texto no dia 13/12, niver do Théo!

Resumindo salvou a vida dele!

Mas já salvaram a minha também.

E já salvei de alguém....

Dizem que Deus e o diabo moram dentro da gente.

Silvia Maria disse...

Elise,
Sou da parte leitora-carola. Chamo de anjo da guarda. E essa sintonia existe sim e é muito bom você reconhecer isso...
Aconteceu comigo tb: Filho ia a um passeio da escola aberto aos pais, eu tinha uma aula no dia e não poderia ir... ele já foi a quinhentos passeios sozinho, mas eu estava super insegura, desconfortável com a ideia... Tanto fiz que a minha prof trocou minha aula para sexta - ela não conseguiu dar aula na quinta por minha causa... Fui ao passeio com ele e ele me faz a gentileza de passar mal no passeio e parar no Souza Aguiar - só que eu estava junto!
Coincidência? Não... Nossos Anjos da guarda estavam em sintonia: Anjo da mão como Anjo do filho.

Monica Loureiro disse...

Sempre acontece algumas coisas assim comigo...Adorei o seu Blog!

monalisa disse...

...Estou em um momento em que com certeza tenho alguém cuidando de mim! Como assim? Não sei!
Apenas me sinto tão sem rumo, mas ao mesmo tempo tão protegida... Difícil, né? Pra mim também!
Eu tenho que acreditar que tem um ALGUÉM lá em cima que cuida de mim... Porque caso contrário eu vou acabar desistindo dos meus sonhos um à um...

Bju!

Anônimo disse...

E não pode ser Deus? tem que ser anjo?

Anônimo disse...

é o caso do rapaz que encontrou o bebe na lixeira.a caçamba é enorme , e ele foi exatamente no lugar que o bebe estava, meio que enviado por alguém ,incoscientemente...
tem que acreditar que existe uma força maior que rege essa budega aqui...