sexta-feira, 15 de outubro de 2010

DESEJANDO O CAPITÃO NASCIMENTO


Antes que eu tome uns beliscões por aqui, deixa eu explicar o título do post! rs.

Não é bem o que você está pensando. Ou talvez seja.

Eu sou fã pra caramba de Tropa de Elite. Mais ainda do BOPE de verdade, e mais ainda do Cap. Nascimento. Capaz que eu até pedisse autógrafo pra galera do BOPE se pudesse, rs.
Até porque pra mim bandido bom é bandido morto mesmo, e direitos humanos é o caralho. Mas enfim.
Nem vou ficar falando aqui como o filme 1 é brilhante, e como o 2 me deixou alucinada. E como o Wagner Moura super merecia um Oscar, rs. Deixa isso pros críticos cinematográficos.

Mas sucede que eu saí do cinema mais apaixonada ainda pelo Nascimento.
Mas nem é como você pode pensar.
Eu queria.... SER o Nascimento.

A declaração parece sem pé nem cabeça, vinda de uma mulher?? Pois a primeira coisa que eu disse (brincando, claro), na saída do sessão, foi: "vou me alistar".
E o B caiu na gargalhada.
A imagem do negócio é bem ridícula - eu, mais mulherzinha impossível, sem a menor aptidão física pra nada (ôpa! Quase nada, rs), sedentária, cheia de nariz em pé, querendo ser do BOPE. Nem brincando, né?
Mas, por mais louco e brincadeira que fosse, era um sentimento autêntico, por mais difícil que seja pra um homem entender o conceito.

Eles acham ok a gente babar no Nascimento, achar ele alfa, viril, foda, macho pra caceta... mas querer SER ELE????

Pois aí vai uma revelação acerca das mulheres que os homens talvez desconheçam:  A FRAGILIDADE DO SEXO.

Um homem não se toca, não sabe o medo que as mulheres passam durante toda a vida.
Toda mulher, desde bem criança encara as restrições que o seu sexo impõe: as mamães nos avisavam pra termos cuidado com estranhos, a não sentar no colo de ninguém, não nos deixavam sozinhas (com razão, diga-se!) no meio de "tios" que não conhecessem bem.

Mesmo as mulheres mais briguentas e fortes, se acostumam ao longo dos anos que simplesmente não podem ir de saia a alguns lugares, que não devem andar sozinhas à noite, que não devem circular por certos lugares perigosos.
Ficamos atentas a nossos copos em boates pra não colocarem nada dentro, somos orientadas a não entrar em carros de homens não bem conhecidos, escondemos nossos corpos longe de decotes em situações em que a companhia masculina é meio duvidosa.

Um homem andando sozinho no meio da rua à noite num lugar ermo passa despercebido. Uma mulher vira uma PRESA.

E é isso mesmo. Desde muito cedo somos presas. Nosso sexo nos torna presas (aposto que se você for homem, nunca tinha encarado a coisa assim certo? Nunca tinha se tocado de como as mulheres vêem o negócio).

Homens podem fazer mal a outros homens, em brigas eventuais e assaltos e tal; mas mulheres sempre vão ser visadas, até em situações que não ofereceriam perigo a outros homens.
Um homem mal intencionado vê outro homem no máximo como uma presa de assalto e agressão. Esse mesmo homem talvez não se contentasse só em assaltar uma mulher.

As mulheres tem outra coisa de valor, por mais escroto que seja colocar a coisa dessa forma. Uma verdadeira bomba-relógio entre as pernas. Homens normalmente só tem medo de apanhar de outros homens. Mulheres não.

E toda, TODA mulher cresce com isso - totalmente ciente de sua fragilidade, de sua incapacidade de se defender. Encaremos - mesmo uma mulher atlética, forte, corajosa, briguenta, treinada até, sabe suas limitações frente a um homem.
A maioria dos homens é mais forte que nós, e ponto. Podemos até nos defender, mas se ele estiver determinado a nos infligir algum dano...

Algumas mulheres, felizmente, passam a vida toda somente em suspense frente à ameaça constante. Outras, infelizmente, encaram desde cedo ou em algum momento os punhos e/ou abusos masculinos. E essas então tem ainda mais ciência da precariedade de sua condição.

E isso me irrita.
Me irrita não ter paz.
Me irrita poder ser vitimada.
Me irrita ter sempre medo do que pode me acontecer em diversas ocasiões.

Nas duas mais recentes, que foram o arrastão e o assalto dentro de casa, o que eu pude fazer?
Nada.
Não pude me defender.
E olha que nem fui muito ameaçada fisicamente. Pelo menos na segunda vez.
Mas se tivesse sido, se os "amigos" assaltantes tivessem resolvido que a minha camisola era interessante?
O que eu faria?
Nada.

E isso me tira o sono.
Andar na rua em alerta constante, me aborrece.

Então eu invejo o Nascimento!
Invejo sua capacidade de se defender, sua coragem e força, sua determinação e presença de espírito em situações de conflito! Invejo a liberdade dele. Queria ter esse... PODER. Queria ser super-herói, nem que fosse só por um dia :)

Engraçado como a maioria das mulheres, mesmo incoscientemente, procura esse fator de segurança e proteção nos caras e relacionamentos. O sonho do macho alfa, lembram?? ;)
Você poderia condená-las?? Eu não.

Mas que eu preferia ser o Nascimento.... poder dar umas porradas pra variar... ah, preferia, rs.

35 comentários:

Ana disse...

Gentee! Verdade! Pq a mulher sempre tem que ser o sexo fragil?

Aff fiquei assustadissima com seus posts antigos sobro o assalto e o arrastão!

Imagino o susto o pavor que vc deve ter sentido... Mas ainda bem que passou e que estão todos bem!

Se cuida Lisee! Beijoss

Licele Faial disse...

Entendo exaamente, perfeitamente.
Pra mim também bandido bom é bandido morto. Não tenho peninha.

E às vezes eu me pego imaginando como seria ser forte, invencível, poderosa. Poder ir sem medo a qualquer lugar e a qualquer hora.

Eu até me faço de durona, mas pow, eu tenho 1,5m de altura. Vou me defender do quê?!

Ser mulher é perigoso demais.

Por isso que já decidi: na próxima encarnação, quero ser homem!

Maela disse...

Uma vez fui assaltada, levada de refém e o bandido passou a mão na minha bunda ( era 3 ) e disse : "Não é fraca não"..
Te juro que não pensei, eu peguei a mão do cara pelo pulso e torci nas costas dele.
Obviamente os outros 2 me puxaram, e perguntaram se eu queria morrer.
Pensei que preferia morrer a ser estuprada.
A minha história só acabou bem porque me levaram para um matagal muito distante e o Diplomata, que era um carro bebedor por natureza, ficou sem gasolina.
Eles assaltaram outro carro, um coitado de Brasília que estava voltando da maternidade, onde tinha deixado a esposa.
E foi assim que não fui estuprada!
ODEIO BANDIDO, ODEIO!
EU QUERIA SER O NASCIMENTO

Elise Machado disse...

Ma, que HORROR!!
Fiquei enjoada só de ler!

Eu queria ser corajosa como você ao dizer que preferia ser morta do que estuprada...

A verdade é que durante o assalto lá em casa, em diversos momentos eu cogitei que isso pudesse acontecer. Mas como a Memée estava lá, nem pensei em reagir; pensei que teria sorte se ele se contentasse só comigo.

Se ele ameaçasse ela, eu até abriria as pernas voluntariamente, chupava, dava o rabo e o caralho.
Que merda ser mulher, viu?

Bom saber que mais alguma louca também queria ser o Nascimento, rs.

Andréa disse...

Puts chérie,vc disse tudo.
Eu tenho fama de valente,alguns sentem até medo de mim,ou das minhas reações,meu apelido em casa é "onça braba",mas a real é que o medo do desconhecido é literalmente foda de se conviver.
Eu só não sei se daria certo ser o Capitão Nascimento.
Será que eu ia ficar me alisando e me beijando e me esfregando e fazendo coisas alucinantes comigo mesma?
Brincadeira,eu queria ser um homem assim tbm.
Caramba,me dei conta agora que no mínimo eu seria um justiceiro.
Beijas.

Maela disse...

Eu era solteira e não tinha filhos.

Hoje não sei como eu faria.

Até porque, no dia, eu também não sabia que iria reagir daquela forma, foi automático mesmo.

Não chorei na delegacia, nem quando me vi livre.

Só consegui chorar 7 horas depois de ter chego em casa.

E a sensação de "violação" durou um bom tempo.

Ariane disse...

Lise, você conseguiu expressar o que a maioria das mulheres sentem!!!

Eu também morro de medo!

Já fui seguida diversas vezes, enquanto voltava da escola, do curso... morria de medo de ser estuprada!

É uma droga ser mulher! Porque somos a caça, e os homens o caçador!
E na verdade acho que não me contentaria com um Capitão Nascimento, porque ele não iria me proteger sempre... seria melhor SER ele!

Elise Machado disse...

Olha vejam só... alguns homens podem achar que as mulheres são umas babacas frágeis e indefesas... e a maioria aqui dizendo que preferia SER do que ter alguém que as defendesse... super interessante, não acham?

Sinal de que só nos faltou mesmo é a ajuda da natureza no negócio.
E que as mulheres não se fazem de indefesas por "charminho".

Tou mega satisfeita com a constatação, e com o fato de descobrir que outras também olham o cara não desejando ele pra si, mas sim usando ele como exemplo.
Sensacional!!!

Ruiva disse...

Eu e minha irmã somos meio malucas, né.. A gente reage a assalto, bate em bandido, destranca porta... rsrs
Mas mesmo assim já fui vítima de estupro.
Daí que toda vez que vejo filmes como Tropa de Elite, com um militar machão que não tem medo de mandar bala na cabeça de bandido, digo pra mana que eu nunca poderia ser militar. Eu ia meter a faca na caveira sempre.

Capitão Nascimento é poder!!!

Beijas, nega.

Elise Machado disse...

Ruiva, fiquei passada com a sua declaração.
Muito corajoso da sua parte admitir tão calmamente a questão do estupro.
Conheço algumas mulheres que passaram por isso e outros tipos de violência sexual, e posso afirmar de cadeira que não é mole assumir que se sofreu esse tipo de coisa.

Dá vergonha, dá nojo de si mesma, dá uma sensação de impotência e sensação de culpa.
É inevitável. Muito bacana a sua forma de lidar com a coisa.
É exatamente o que eu acho - falar sobre pra tirar o poder da cosia sobre você.
Você tem todo o meu respeito.

A violência sexual é a forma mais vil e suja de humilhação.
Porque a dor, os hematomas a gente supera. A humilhação é que é difícil.

Deveria ser passível de pena de morte, porque diferente do homicído a pessoa não faz "sem querer" ou por forças das circunstâncias, ou tem atenuante.
Hediondo é pouco pro negócio.

Sua situação só ilustra o que eu disse - por mais que a mulher seja valente, sempre está sujeita à cobiça do seu sexo.

É uma merda.
Viva o Nascimento e todos os homens fortes e dignos que nos servem de exemplo e inspiração!

Val- Coisas da Val disse...

Sabe q lendo seu post foi q a ficha caiu! Ser mulher às vezes é uma merda mesmo!
Tb acho q bandido bom é morto, e bem enterrado!
E não gosto nem de imaginar qual seria minha reação numa situação limite, tenho 2 filhos, aí já viu...
Vamos fazer um movimento, Capitão Nascimento por um dia!
Bjos

ni disse...

Esse pessoal dos direitos humanos têm mania de dizer que quem fala "bandido bom é bandido morto" é gente ignorante, sem instrução, etc. Mas a gente vê que não é assim não. Eu tenho um cargo jurídico e penso assim sim. Por isso mesmo me mantive longe dos cargos de magistratura e Ministério Público, porque não ia dar certo. Não consigo entender como alguém consegue defender os direitos de um assassino estuprador. Ontem vi o filme e naquela parte que o bandido fala pra jornalista tirar a roupa eu me arrepiei toda. Uma pessoa assim não tem que morrer somente, morrer é pouco, é fácil.. tem que sofrer lentamente.
Bom, mas apesar disso tudo eu não queria SER o Capitão Nascimento, só TER mesmo.

Quarto de Despejo disse...

Brasileiro hoje em dia, tem muito pouco para se orgulhar, mas posso dizer que me orgulho do cinema nacional por produzir um filme do calibre (sem trocadilho)de Tropa 2.
S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L!!!
3 milhões de espectadores em 1 semana!! Bateu todos os recordes de bilheteria!
Capitão Nascimento é Heroí, Ídolo, numa terra onde, infelizmente, somos reféns da propria sorte, e faz algum tempo que não temos ídolos fortes.
Eu sinceramente, não queria ser o Capitão, mas queria desesperadamente que existese de verdade uns 3 iguais a ele. Acho que as coisas iam melhorar muito!

Bj, Lucia

Helen disse...

Parabéns, Elise!
Este é um dos tues melhores textos, tanto pela forma como pelo conteúdo...

Ser mulher é uma provação constante!

Bandido bom é bandido morto (fato!).

Elise Machado disse...

ni e Lucia, ok, TER o Nascimento tb não seria nada mal ;)
Não era o foco do texto, mas é óbvio que o cara é tudo de bom! rs

O B inclusive me perguntou esses dias: "e aí? Nascimento ou fulano?" (apontando pra um modelo lindo na tv).
Eu nem pisquei: NASCIMENTO!

Essa é que é a questão da masculinidade - o Nascimento não é bonito, fortão.
Mas o cara é o cara!
Pra homem basta a atitude, não a aparência!

Ni,na hora do filme que o bandido manda a jornalista tirar a roupa eu tb engoli a seco. O B até me segurou mais forte.
Foi duro de assistir mesmo sabendo que é de mentirinha, viu?!

Morte é pouco mesmo.

E Lúcia, realmente o filme é motivo de orgulho. E olha que não sou nada nacionalista.
Nascimento é mesmo o herói nacional.
Merecido.

Karina disse...

Adorei o post, e fiquei assustada com o post do Arrastão...Sou paulista, daquelas da "gema" (se existir esse termo para paulista). E fico no maior medão de ir para o RJ...Todas as vezes que fui, ficava achando que iria brotar um zé ruela em qualquer esquina...SP não é uma mar de rosas, está bem longe disso, ,mas pelo menos eu sei onde são os pontos críticos.

Cap. Nascimento, não sei se eu gostaria de "ser" ou "ter", nunca tinha pensado nisso e fiquei na maior dúvida. De repente, eu poderia "ser" um Cap. Nascimento e "ter" um Cap. Nascimento...Um meio bichisse??? Não rolaria, né

Psicóloga tem umas viagenssssss, rs

Beijo

Camila Monteiro disse...

Meu, um dos textos mais inteligentes que já li. Sem apelacao e sem fazer drama mostrou ai o problema que na maioria das vezes os homens nao entendem.

Nos sentimos mesmo tudo isso desde sempre e é impossivel se sentir segura em algumas situacoes. Ter uma sensacao de liberdade plena né?!

Por isso buscamos nosso macho alfa a vida toda, so para compensar isso!!! rsrsrs

Adorei Elise, muito bom mesmo!

Da uma passada no meu blog se vc puder! Me segue lá, quem sabe um dia vc nao ve algo de interessante la tb!!!!
Adoro muito te u blog!e foi por tua causa que fiz o meu... rsrs

www.vidacomplicadademais.blogspt.com

Ice disse...

quero ver tropa de elite2 não....

Silvia Maria disse...

Sou a favor dos Direitos Humanos. Claro que para nós, cidadãos de bem. Bandido não é humano (não age como tal) e tenho nojinho desse pessoal hipócrita de esquerda que acha que traficante é vítima da sociedade. Sociedade é o caralho: voto direito, não voto em merdinhas e tenho a minha consciência tranquila.
Fui ver o filme hoje: ADOREI. Capitão Nascimento É o cara! Podíamos ter uns 500 deles, o Rio estaria a salvo.

Ah, pedi pipoca... adivinha como? hahaha a cara do sujeito misturando as pipocas... ahahahahaha
Beijas e CAVEIRA!

Paola Bracho disse...

Oi Elise,

eu adoro ler seus posts, assim como os coments que aparecem por aqui. Concordo com quem disse que vc fez um texto direto, inteligente e que expressou o que muitas mulheres sentem/pensam....mas o que mais me impressionou foi o coment da Ruiva...assim que saí do cinema eu disse que jamais poderia ser polícia, porque pra mim, missão dada seria missão cumprida e tendo uma chance de atirar, eu atiraria. Eu penso como a Ruiva...para o bem ou para o mal...eu acho que seria sempre faca na caveira....

Bj!

* Sim, senti saudades de vc...some mais não...e não muda nada. Seu blog é perfeito assim! Contar histórias é um dom...e vc o tem!

Ana disse...

Muito bom o teu texto Elise!
Eu nunca fui vítima de assalto, graças a deus, porque não sei como eu reagiria numa situação dessas, melhor explicando: com certeza eu reagiria.....
Estupro então nem se fala, eu não viveria em paz comigo mesma depois sabendo que eu não tentei me defender, bater no cara, qualquer coisa.

Eu tenho tanta raiva de bandido, o 2 eu ainda não vi, mas no tropa de elite 1 vibrava com as ações deles, bandido bom é morto. E estuprador tinha que ser torturado antes de morrer, de preferência estuprado por um negão de 40cm de armamento.

Conhecendo a fragilidade do nosso sexo, eu sempre considero a possibilidade de aprender alguma auto-defesa, tipo krav magá ou alguma luta meio punk. Mas nunca toco o projeto adiante, saber nadar e brigar sempre pode ser útil nessa vida....

Obs: vi o post da briga canina, a ginger é muito treslocada, pobre do jack!!

Aline disse...

Adorei seu post Elise!!
Eu ainda nao vi o filme e agora q quero ver msm. Eu adoro viajar e na maioria das vezes fui sozinha. Da ultima fui pra Europa e passei por 8 cidades em 33 dias, andando sozinha pra lah e pra cah..Engraçado que eu me senti muito mais segura lah do que aki no Brasil.. triste constatação ;( Mas por exemplo, eu evitava ao maximo andar sozinha de saia kkkk soh qdo estava acompanhada de alg q conheci nos albergues :D. No unico dia q fiz isso, fui perseguida em Paris, mas o cara nao fez nada, soh me chamou e eu fiz uma cara bem feia (!!!) e fingi q nao era comigo eheheheh.. Provavelmente se fosse no Brasil eu teria gritado e corrido sei lá... Mas o q quero dizer eh q jah q nao dá pra SER o Cap. Nascimento, a gte tem q se precaver !!Fazer o q ;)

Parabens pelo blog!
bjokas

PS: e to contigo: bandido bom eh bandido morto msm!!!!!

Jussara disse...

Muito bom! Falou tudo o que eu penso. Qdo era mais nova até pensei em fazer alguma arte marcial, mas nunca levei jeito pra esse tipo de coisa e acabei deixando. Choro e me emociono qdo leio relatos de estupros, sem dúvida hediondo é pouco.
Bom seria se tivéssemos vários Nascimentos, mas melhor ainda seria se não precisássemos tê-los e nem víssemos tal personagem como herói. Infelizmente ele é festejado e aclamado pq nosso país não tem justiça e a impunidade impera.

ni disse...

Aline, em Paris tem uns doidos mesmo que ficam seguindo e perturbando as mulheres, mas DIZEM que eles são inofensivos.
Engraçado que quando eu viajo me sinto mais segura do que onde eu moro (Salvador, minha cidade natal), até quando fui pro Rio eu andava tarde da noite pelas ruas... não sozinha, claro, mas andava.. loucura? Sei lá, dá a impressão, totalmente equivocada, é claro, de que quando vc tá numa cidade diferente as coisas não vão acontecer.

Bia disse...

Nossa, essa coisa de ser mulher homem nenhym nunca vai entender! Eles podem concordar, se solidarizarem...mas não adianta, eles nunca vão ter noção! Me lembro sempre daquela música da Madonna "what it feels like for a girl".
Eu queria muito ser o capitão nascimento nesse sentido...mas Elise, num me fala essa de bandido bom é bandido morto que dói meu rim esquerdo!!!!

Aline disse...

Ni, isso eh msm engraçado neh? Sei lah acho q o simples fato de estarmos num lugar diferente, onde ninguem te conhece dah uma certa sensaçao de poder ahahahah...foi meio isso q senti na viagem!
ainda bem q o cara era de boa, e olhando agora a historia ateh q eh engraçada, ser perseguida em plena Paris q chique (NOT!!)!

Doce de Leite em Pó disse...

Nossa Elise , assim que terminei a leitura chamei meu marido correndo pra ler tb.Achava que somente eu ,pensava em SER o Cap.Nascimento,desde o primeiro filme falo nisso e ele nunca entendia direito, agora ficou claro. Ele sempre se preocupa comigo pq como vc colocou tão bem vivo em estado de alerta,sempre falo q o medo do estupro é o maior da minha vida.Graças a Deus nunca aconteceu , porém ,por esse medo faço a louca as vezes, e já atropelei bandido armado que veio me assaltar ,já soquei a cara de muito babaca em balada que agarra ,puxa cabelo força beijo,já reagi quando tentaram me assaltar naquele estilo de abraçar como se fosse conhecido...Como alguém já falou prefiro morrer. Na minha família já aconteceu um caso e minha vó criou as filhas sempre falando em cuidados , minha mãe e tia tb passaram isso a frente ,é impressionante como mesmo após gerações isso fica marcado.

Não nos abandone nunca viu , adoro acompanhar seu blog .
Ps: Fiquei tão empolgada com nosso Macho alfa lider supremo Cap. Nascimento , que minha reação foi virar para o marido e declarar :
Vou comprar uma farda do BOPE pra vc ! rsrsrsr Ele até gostou da idéia mais não quis dar o braço a torcer , o ciúme falou mais alto rsrsrs Beijas.

Anny disse...

Adorei o texto, Elise!!! Amei!!! Também gostaria de ser Capitão Nascimento por um dia, SIM. Adorei o Tropa 2, e a sensação de medo/terror na cena da jornalista, me fez tremer, afe. E também o Rio me pareceu tão real... (sou de SBC)
Bjas, num some não, faz falta pra nós saladetes.

Ricardo Aguiar disse...

Eu sou homem e repudio muito o mundo masculino por essas coisas; coisas que parece que só homem tem coragem. Não me entenda mal: sou homem, heterossexual e tudo o mais... Mas não entendo como um ser humano pode constranger outro a uma violação carnal tão brutal como o estupro. Eu sou formado em Direito e sou servidor público atuante na área criminal. Ainda assim, devo confessar: não consigo concordar com essa "galera dos direitos humanos" tentando amenizar a punição para indivíduos desalmados e sem coração. Se na hora de fazer as maldadades o criminoso não pensa no bem estar da vítima, então porque o Estado haveria de fazê-lo com o bandido?

Seu blog é simplesmente fantástico. Você se destaca! Saudações

Uma dúvida: é permitdo homem comentar? É porque não reparei nenhum comentário masculino.

aime disse...

Sem palavras elise... Nunca ninguem conseguiu traduzir tao 100% o que eu penso e sinto em relação a ser mulher.. Odeio essa impotencia relativa, esse mãos atadas por falta de força fisica...
Preferiria ser milhoes de vezes homem... alias, tudo oq vi na casa dos meus pais durante anos do poder do meu pai sobre a minha mae, mesmo sem violencia...
Me fez ficar na consciencia q amar, ser amada era ser fraca e demorou para entender q nao era assim...
Demorou para entender que o problema nao era chorar, nao era amar, se apaixonar era sim ser forte o suficiente para arcar com as consequencias das proprias decisoes.
foi dificil mas hj as coisas estao diferentes, me dei oportunidade de coisas q eu nem queria saber antes e estou super feliz!!!!
REalmente SER o cap nascimento seria a melhor coisa do mundo!!!

Vi e Ouvi Por Ai disse...

Elise!!! Acho que a maioria das mulheres queria ser o Capitão Nascimento nem que fosse por um dia só... rsss... como deve ser bom ser agressivo de vez em quando neh?? e que mané pena de bandido?? rssss... tiro neles!!! rsss... As mulheres só são sexo frágil nesse sentido de não poder se defender das ameaças que nos rondam igual aos homens, porém em outros, nós somos fortes até mais que eles... Como eu invejo essa LIBERDADE masculina de poder andar por aí sem ter medo, chegar a hora que quiser... enfim... por mais que o mundo mude, mulher nunca terá essa mesma liberdade buaaaa...

Beijos e parabéns pelo belo blog!!!

Vivian

Elise Machado disse...

Ricardo, o blog tem muitos leitores masculinos sim!
É uma pena que eles não comentem tanto quanto as meninas, porque adoro ouvir a opinião masculina!(mas vira e mexe temos comentários bem legais deles)
Bem-vindo, chérie!

Roberta Seabra disse...

Somos duas que amamos o Capitão Nascimento.

Beijps

Rosângela Grub Costa disse...

Bah, same here!
Ás vezes ser mulher é um SACO!
BOPE rules!

Dark Kyra disse...

PQP! Penso igualzinho. Por mais forte que a gente seja, não tem como não tentar se proteger disso!! Q RAIVA!