quinta-feira, 7 de abril de 2011

MEA CULPA


Uma  palavrinha sobre bullying.
Palavra da moda pra coisa que sempre existiu.
Eu sofri bullying, ou como queiram chamar.
Pra caramba.
Era nerd, desligada, boba. Vivia sendo trancada em banheiros.
Certa vez, inclusive, passei dois tempos de aula inteiros trancada num banheiro da escola, até me descobrirem e me soltarem.
Olha que embaraçoso, rs.
Espalharam pra escola toda que eu era sapatão.
Hoje eu riria baldes e até gostaria (rs), mas sendo  adolescente e insegura,  isso acabou com a minha vida social na época.
Me botavam apelidos poucos elogiosos, me escolhiam por último pra qualquer esporte...
O pacote básico, rs.
E nem por isso eu saio matando todo mundo, ok?

Isso existe desde sempre.
Vai existir sempre onde houver mais fortes e mais fracos.
Isso foi tema de metade dos filmes adolescentes dos anos 80, pelamor!
E daí?

Não vou falar sobre o massacre acontecido na escola no Rio - mas uma coisa que me aborrece, me tira do sério, é a mania que as pessoas tem de procurar culpados, qualquer um... menos o verdadeiro culpado!!

Tudo bem você ser um ser mau, desprezível, fazer coisas repreensíveis: a culpa é da sociedade, da internet, dos filmes, dos seus pais, dos americanos, do armamento...
Ou é porque você é minoria,  ou sua mãe não te alimentou no peito, ou teus pais eram rígidos, ou te espancavam, ou você foi humilhado, ou teve menos oportunidades, ou...
Ou, ou, ou!
Todo mundo é culpado, menos você!
Que bobagem sequer insinuar isso!

Me recuso a aceitar isso.
As pessoas tem escolhas.
Sempre.
E são o que escolhem ser, independente do que aconteceu a elas.
É questão de escolher superar ou não.
Não respeito pessoas que usam os próprios traumas como desculpa pro que elas são.

Temos que aceitar que certas pessoas são más, ou malucas, ou desprezíveis e pronto.
Só.
E que a culpa pode ser delas mesmo.
Por não ter escolhido sobreviver apesar de, e seguir em frente.

34 comentários:

Felipe Muñoz disse...

Excelente texto, penso exatamente o mesmo. Por essas e outras que as vezes prefiro trocar de canal que ficar vendo a mídia dramatizar e extrapolar a vida real além dos limites da realidade.

Renata disse...

já disse que sou sua fã, né?? Concordo com tudo e amei "Não respeito pessoas que usam os próprios traumas como desculpa pro que elas são".
beijos

*cristina* disse...

Texto perfeito Elise.
É por essas e outras que nunca sequer cogitei ser psicóloga.Porque se um marmanjo(ou marmanja!!) me aparecesse dizendo que tem problemas hoje,porque sua mãe era assim ou assado,seu amiguinho nunca dava pirulito pra ele...eu juro que dava uns tapas na caras e mandava virar homem.
Detesto gente fraca(ou de má índole msm) que usa esses pretextos pra ser má ou mala!!

texto perfeito,já falei isso?? PERFEITOOOOO

Bjoo



Bjoo

Suellen disse...

olha, que texto verdadeiro, sempre odiei pessoas que ficavam explicando o pq de ser assim e assado culpando outra pessoa, acho baixo!
eu já nem ligo televisão pra nem ouvir essas noticias, acompanhei via tui e morria de ódio quando alguem postava essas desculpas, ou o que queiram chamar!
revoltante

bjo

Anônimo disse...

Vou de anônimo para não chocar.

Sofri abuso sexual na infância, meu próprio pai fez isso comigo.

Minha mãe escutava eu gritar no quarto, mandando ele embora, mas ela nunca fez nada.

Fui a diferente na escola. Gordinha, sardas e ruim no esporte.

Não virei puta, "perdoei" meu pai e minha mãe.

Nunca tentei matar ninguém.

NEM MEU PAI.

Não sou pedófila, alcoólatra, drogada, não faço automutilaçao e não tomo remédios para síndrome alguma.

Foi bom o que aconteceu?

Claro que não.

Mas eu não deixei que isso acabasse com a minha vida e nem por isso acabaria com a vida de outrém.

Anônimo disse...

Eu discordo ... Acho que cada um nasce sim com um caráter predefinido, mas o meio e as condições em que o indivíduo vive influenciam sim na sua personalidade ! Se o cara fez o que fez, foi porque acreditava naquilo que escreveu na carta, e ele foi feliz assim. Muitas vezes prejudicamos outras pessoas para obter nossa felicidade. Mesmo que de forma indireta, mas prejudicamos. Eu não apedrejo ninguém, mesmo porque não sou nenhuma santa, acho que pior é aquele que prejudica outra pessoa com outra intenção que não seja sua felicidade.

Maela disse...

De verdade, o neguinho nasce ruim e pronto, o resto só é muleta ou estopin.

Anônimo disse...

Perfeito, Elise! Eu já pratiquei um bullying na vida, tinha 11 anos, ajudei outra menina a amarrar o cadarço do tênis de uma colega gorda no banco... Foi um episódio isolado causado por má companhia, e me arrependo muito disso. Bullying é uma coisa que sempre existiu, é cruel demais, e só agora tem se dado a devida atenção.

Ass: ni

Anônimo disse...

Mas enfim, se toda vítima de bullying ou de infância/pré-adolescência complicada fosse virar assassino... aff. Concordo com a Maela, a pessoa já nasce ruim, o resto é estopim.

ni

selena disse...

Elise, minha infância foi parecida com a de algumas leitoras acima. Depois, passei por experiências que a maioria das pessoas me falavam que não suportariam, ou que reagiriam de forma diferente.
Eu falo isso que voce falou TODOS OS DIAS.
A GENTE ESCOLHE COMO REAGIR ÀS COISAS QUE NOS ACONTECEM.
Porisso, rezo todos os dias para, (entre outras coisas) ser poupada de fazer terapia nessa minha existência. Não tô afins de escutar que a culpa de todas as mazelas da minha vidinha é do meu pai, da minha mãe, do ar que eu respiro, do bispo , etc.
Aconteceu , eu reagi assim ou assado e a responsabilidade pelas consequencias das minhas escolhas é só minha.

PRONTOFALEI!

Andreia disse...

Eu tb sofri bullying e hj qdo lembro acho super engraçado, mas na época sofria horrores. Mas não me tornei uma pessoa melhor ou pior que isso.

O que aconteceu no Rio é que o cara parece que era um psicopata. Psicopatas não tem cura e nem justificativa. Eu não considero psicopata uma pessoa, considero uma anomalia. Nem todos os psicopatas matam, tem mtos soltos por aí que fazem mal aos outros sem justificativa nenhuma.

A sociedade que vivemos hoje só dá o empurrão necessário. O cara já era assim. Se não matasse hoje, mataria amanhã. Infelizmente são tão dissimulados que só descobrimos do que são capaz depois da besteira feita.

É tudo bem triste.

Andréa disse...

Falou da maneira mais certa que poderia existir.
Obrigada por ser minha aiga.
Beijos,ops,beijas.

Claudio Barretto disse...

Por isso não acredito em correção como se diz no Direito - a prova tá nas reincidências e agravamentos.

Anônimo disse...

De fato, o que importa é o que você faz de si mesmo, não o que os outros fazem com você. Isso sim se chama "escolher". E sim, nossas escolhas nos definem.

Um caso desses, porém, tem muito mais a ver com DOENÇA METAL. Impressionante a quantidade de gente que nunca estudou nada a respeito e sai dando vereditos, achando que está falando alguma verdade universal ao chamar tudo o que não compreende de "falta de vergonha na cara" e similares.

Transtornos mentais são doenças. Doenças de verdade, tal qual um câncer. E que podem sim levar a tragédias igualmente reais.

Agora pergunto: cabe mesmo procurarmos culpados? Alguém aqui realmente acredita que chegará à resposta correta? Única e incontestável?

O caso ocorre há algumas horas e todo mundo já sai falando a respeito se achando tão cheio de razão que beira o ridículo...alguém aqui trabalha na escola? Alguém aqui é da polícia? Alguém aqui é o ex psiquiatra do atirador e portanto pode dar seu diagnóstico profissional sobre ele? Ou tá todo mundo falando o que lhe vem à cabeça após ter assistido a uma matéria de 15 minutos no jornal do meio dia???

Val- Coisas da Val disse...

Bom, não sei se concordo com tudo o q foi dito no post ou aqui nos comentários. Acho tudo isso mto confuso, se o sujeito nasce mau, ou se fica mau pelo que viveu. É assunto pra eu pensar.
Gostei do post , e gosto mais ainda da liberdade que a gente tem de comentar por aqui.
Bjos Elise

Camila Monteiro disse...

Acho esssa opinião firme demais, mas terminei de lerteu texto concordamos. Poxa vida, temos escolhas o tmepo todo... porque outra pessoa tme que ser culpada do porra louca entrar ali na sala e matar sei la quantas pessoas!!!
Tanta gente supera coisa terrivel na vida e nao sai matando. Eu mesma tenho vontade de fazer tanta coisa. Vc nunca teve vontade de matar alguém? Mas vc eeu temos escolhas e fizemos a nossa ele nao fez porque nao quis!
Concordo com tua escolha firme mas certa sem duvidas!

Patric disse...

Adoro textos inteligentes escritos pela minha prima!!!
E só para complementar: DESCULPA DE ALEIJADO É MULETA!!!!
É bem mais fácil colocar culpa no bullying, na sociedade, no mundo, na pqp (q nem sempre tem culpa d ter colocado um ser desses no mundo!)...
E tds temos escolhas sim... Se escolhemos "errado" então temos algo q se chama LEI p nos dizer q aquela escolha ñ é "certa"!

Henrique disse...

Confesso que gostaria de saber mais da vida do cara...na verdade, penso que isso tudo é um mistério e nem mesmo cientistas socias, psicólogos e´psiquiatras sabem ao certo.

Hoje assintindo um desses especialistas(rs) achei um barato porque um deles não soube dar uma resposta satisfatória.E a coisa não é tão simples não.

Digamos que fosse sacado que esse cara tinha algum problema, será que se ele fizesse tratamento não poderia de repente ter evitado isso tudo?Penso que deveríamos olhar sim para esses casos.

Quanto ao bullyng a coisa não é tão simples também.Todos nós temos estrutura de carater que conseguem reavaliar as situações, mas nem todos sabem lidar com isso.Isso é fato.

Peguemos o caso do Bullyng sofrido por alguém que tenha caracteristicas femininas e logo é taxado de boiola, viadinho...coisas do tipo.Será que isso não pode levar a estados graves? Suicidios? Certamente que sim.Tu imagina pipocar um monte de coisa na cabeça de alguém e o cara não saber lidar com isso..." o buraco é mais embaixo"

Prefiro tentar entender a verdade do outro do que medir o outro pela minha régua.

Interessante que nesse caso da escola do Rio a gente nem tem em tese a quem culpar...vez que o cara se matou...

Mas que gera um discussão, isso gera.

Abraço

Anônimo disse...

Oi Elise!
Vários pontos de vista sobre um mesmo assunto.
Bullying virou palavra da moda. Eu nunca sofri nada disso, minha vida não tem, até agora, nada de ruim muito pelo contrário! Sempre estudei em ótimos colégios, sempre fui muito protegida por meus pais e pelas outras pessoas, afinal tem suas vantegens em ser filha de diplomata. rs! Mas...eu pratiquei o bullying. Não fui a vitima e sim o algoz. Agora me envergonho disso, não acho nada bonito todas as maldades que eu fiz, e posso te assegurar que uma criança pode sim ser muito cruel com outras crianças, principalmente se estiver certa de que não receberá punição. Este foi o meu caso, ninguém se atrevia a denunciar ou punir a filha de alguém com um certo poder e dinheiro. Infelizmente no Brasil é assim, quem tem dinheiro sempre pode mais. Só fui ter a exata dimensão das coisas que eu fiz, quando alguns dos meus atos resultaram em conseguencias graves. A minha situação foi resolvida, afinal eu tinha pais com dinheiro suficiente para isto, mas a outra criança nunca mais eu soube dela, não sei como ficou,se ela tem uma vida normal e isto ainda me encomoda pensar que talvez não tenha ficado nada bem.
As vezes o agresssor de hoje foi a vitima de ontem, e cada um tem um jeito de lidar com seus fantasmas interiores, e nem sempre os resultados são bons.
Abraços linda, e parabéns pelo excelente blog!
Rafaella Mazzini

Duda disse...

Eh o tal do LIVRE ARBÍTRIO fgs!!!!

Aime Chiquini disse...

Penso o seguinte...
Hj em dia é difícil dizer que todo cara que comete atrocidades é doente mental... Psicopata.
Pelo simples fato de que tanto algoz quanto vitima tem acesso a informação demais, e conseguem dissimular DEMAIS a realidade. Ta q um bom psiquiatra teria bagagem para sacar isso.
Agora te digo, conheço pessoas que tem o diagnóstico de m problema de cunho mental e escolhem nao se tratar!!!!! Então sinceramente? O tratamento e o despertar para o problema faz parte do questionamento da realidade em que o cara vive. É do ser humano questionar. Mas o que ficou cada dia mais comum, principalmente aqui no Brasil é que os pobres se acostumaram a ser pobres e nao querem mais lutar. Nao se revoltam em estar ali naquele lugar. Nao se mexem.
Das duas pessoas que tem o diagnostico de DDHA, uma depois de se envolver até com "drogas leves" os pais obrigaram ela a se tratar e a outra que TB tem toc, todos olham e dizem que ela precisa se tratar, ela escolhe que NAO!
A vida é feita de escolhas!!!!
nao sao raros os casos de alguem que teve uma vida sem esperança e que nao cometeu atrocidades.
E ai se vc entrar numa loja roubar uma peça e sair, vc nao se questiona acerca do seu erro?
TE GARANTO. por conhecimento. todos que sao presos tem conhecimento do erro deles. Sabem o pq. E mts vezes voltam ao crime por ESCOLHA!
Acho mesmo que o culpado por ser quem somos não é o resto do mundo. NOS somos quem somos pq queremos. Pq se nao quisermos podemos mudar de postura.

Henrique disse...

Nessas horas lembro da minha finada mãe que dizia estar faltando " mais amor no coração"...

Cristão demais? Talvez.

Enquanto isso vamos tocando nossas vidas...

Lisse disse...

Vixe...é difícil falar sobre isso. Cursei 4 anos de Psicologia e desisti pq não conseguia entender pq algumas pessoas q eramdenominadas com problemas mentais agrediam outras. Mas,espera aí..se ela tem algum problema, pq não se agride? Pq esse sujeito não se matou logo de cara, precisava ver o outro sofrer? É óbvio que ele tinha um problema, mas a índole dele já não era uma maravilha. Me desculpe a família, mas foi tarde.

Cris Yumi disse...

Elise, ao ler seu post revivi toda minha infância e adolescência. Também fui gorda (ainda sou), nerd (hj nem tanto), abusada moral e psicologicamente por meu pai e também não saio por aí disparando balas (só em pensamento). Só que sou psicóloga e sei que muitas vezes o cara tá num surto tão grande que faz a merda que fez - o que não justifica, de forma alguma, o ato desumano cometido. Gente é assim mesmo, uns sofrem, são feridos, criam cascas e saem mais fortes para a vida e outros piram e saem matando e criando feridas e cascas nos outros. Humanidade besta...

LauraM disse...

Concordo com vc. Culpado é quem faz. Teve gente com mais problemas, mais necessidades, menos carinho, condiçoes, bla, bla, bla. Mas nem td mundo sai por ai matando.
Temos que aceitar que existem pessoas com problemas psicologicos que nao tem nenhum senso e saem fazendo coisas deste tipo.
E temos que aceitar tb que estamos sujeitos a pessoas nestas condiçoes, hj, amanha, em qqr lugar.
Bjs

Le disse...

Lamentável...Mto mto triste o que aconteceu no Rio.
Vi a notícia de manhã no programa Mais Você e fiquei chocada.
Inocentes pagaram com a vida pela loucura e maldade de um ser doente.

Desafio disse...

Bem que eu gostaria que as coisas fossem tão simples... É tão fácil colocar a culpa no bullying que alguém sofreu quanto na suposta "escolha" que supostamente cada um pode fazer... Quantos de nós fomos vítimas de todo tipo de achaques e até de violência e não nos tornamos assassinos ou coisa que o valha? Provavelmente a mesma quantidade que os pôde suportar psicologicamente, seja porque tinha uma boa estrutura familiar ou porque, aí sim por escolha, foi buscar apoio em outro lugar.
É muito difícil falar sem ter conhecimento técnico mas eu mesma conheço umas pessoas sem nenhuma estrutura para aguentar grandes pressões sem pirar em algum grau. Tem desde a criatura que saiu no tapa por causa de acidente de trânsito até a mulher, com depressão pós-parto, que arrancou de dentro de um carro a amante do marido pelos cabelos. Guardadas as devidas proporções, não me admiraria de ver uma delas no noticiário algum dia...
Oremos...

Anônimo disse...

minha filha (16 anos)está passando por violência escolar principalmente na educação fisica(usam a educação fis.pra bater nela com desculpa de estarem indo na bola) e não é tão simples como se parece.os alunos que praticam essa violência não tem medo de NINGUÉM do colégio(particular de classe média).só melhorou quando eu me plantei no colégio ( de mim eles tem medo)e passei a assistir as aulas com olhar de (eu sei o que vc fez no verão passado).
ou seja eles precisam de limites .eu sou uma espécie de barreira entre elas e minha filha.
o colégio a principio não aceitou.mas já falei que enquanto a integridade da minha filha não for garantida eu não saio do colégio.
e ela como fica:se sente rejeitada,pq uma menina ( a dita como popular,a marrenta) envenena a turma toda ,é um efeito dominó.
mas ...minha filha tá fazendo terapia e agora está aos poucos ,conseguindo lidar com toda essa rejeição .somado lógico a minha presença no colégio.não arredo o pé e isso pode ter certeza que melhorou muito.
não posso ,lógico fazer isso a vida inteira até pq ela precisa aprender a se defender mas no momento eu sinto(sexto sentido de mãe) que é o melhor a fazer (os adolescentes são muito inseguros alguns mais que os outros). e elas são perversas demais.cruéis demais.e isso está no laudo da terapeuta.são meninas perigosas.
eu acho que a rejeição não se supera(experiência própria).ela fica guardada num cantinho da vida,meio porão .mas tá lá esperando uma oportunidade pra vir a tona.
e eu aprendi uma coisa :terapeuta não é coisa de riquinho com problemas como eu pensava ,funciona mesmo.
ela sai outra pessoa das consultas,sai mais confiante.feliz essa é a palavra certa.ela sai feliz.como a muito eu não a via.

Talita Oliveira disse...

Adorei o texto Elise! Concordo plenamente com vc e fiquei deveras estressada qnd vi que alguém pensou em "processar" o Estado e a Escola! Mas pelo quê mesmo? Pq sinceramente! Além de arrumarem um "outro" culpado pra tudo, querem que esse "outro" culpado pague judicialmente, virou moda processar todo mundo, alegando as mais diversas situações!

Bjs

Elise Machado disse...

Adorei os comentários. Opiniões muito interessantes.

Primo, ter você de leitor é o que há! :)

Carol Monteiro disse...

ótimo texto, a verdade é que o palhaço psicótico morreu e boa, agora vamos pensar é nas crianças dessa escola, que nunca mais isso aconteça com elas e com ninguém!

Silvia Maria disse...

Concordo. O bullying sempre existiu e nunca vai deixar de existir. Ele é filho do preconceito - que sempre existiu também...
Também fui vitima de bullying (tenho 1,50 e pesava 80Kg). Duro né? Também não saí matando ninguém...
Mas, somos pessoas saudáveis, tivemos afeto verdadeiros de outras pessoas, não fomos abandonados enquanto crianças, entre outras coisas que valem muito...
Se o bullying existe, não quer dizer que seja natural ele existir. Na condições de pais devemos orientar nossos filhos a se despirem dos preconceitos (e nós também devemos fazer o mesmo) e mostrar a eles que somos todos diferentes uns dos outros e, ao mesmo tempo iguais...

Nice Oliveira disse...

Tem toda razão...
Eu não sofri bullying na escola, mas passei coisas horriveis até ser "dona do meu nariz". E no entanto, estou bem e feliz, não deixei que os traumas do passado influenciasse meu presente.
Eu fico p da vida quando neguinho vem dizer que fez isso ou aquilo pq foi rejeitado ou blabla, é dificil é, mas não é fazendo merda que as coisas vão melhorar.

Raiama Zaccaron disse...

Oii!! vejo sempre teu blog, me identifico muuito contigo! Mas esse post em especial! tu tirou as palavras da minha boca. Acho ridículo o que acabam de fazer virar moda, o bullyng! Gente, isso sempre existiu mesmo! Na época que meu pai estudava, diz ele, que existia muito, imagina se agora não iria existir?! Coisa idiota de profissionais quererem tirar a responsabilidade de pessoas culpadas, porque teve uma infância difícil, foi descriminada, teve apelidos. Quem nunca teve? eu já tive vários, e na época, mesmo novinha, ria das situações e entrava na brincadeira também. Agora olho para trás e do risada do que acontecia!!
Cada um tem sua responsabilidade, se o cara matou, ele matou porque tem problemas neurológicos e não porque foi adotado, a mãe dele morreu ou sofreu bullying quando criança.
Beijo!!