terça-feira, 5 de abril de 2011

O CAMALEÃO


Todo mundo tem um amigo assim.
Ela(e) começa a namorar um vegan, e de repente não comer carne é a maior descoberta do mundo.
Sai uns meses com um budista, e se converte (e às vezes quer te converter).
Está com um carinha metido a gourmet, e do nada McDonalds é a comida mais lixo do mundo.
Se ele adora assistir kart, ela vira entendida.
Se é engajado, ela passa a só falar de política.
E se é alucinado por futebol, ela começa a ir a estádios.

Os gostos dela variam a cada seis meses (ou o tempo dos relacionamentos).
Ela namora e some.
A família não a vê mais, pois ela só frequenta a casa da família dele.
Ela adota a galera dele, e não sai mais com os seus amigos.
Ela praticamente passa a viver só a vida dele.

Ela é um camaleão.
Aquela pessoa que se anula, e muda de estilo de vida sempre que muda de relacionamento.
É chato conviver com essas pessoas, pois você nunca sabe em que fase ela vai estar no momento.

Por que as pessoas fazem isso, hein?
Por que entram nos relacionamentos, e apagam a própria identidade?
Só pra se sentirem devastados e sem nada, se o negócio não funcionar?

Conheço gente boa que faz isso.
E muita.
E muitos nem se tocam que fazem.
Entram nos relacionamentos e vão definhando, definhando... até que, puf! desaparecem como seres individuais.
Como um ser casado há um milênio, te digo que a gente tem a tendência a cada vez concordar mais, a ser mais parecido, ter os mesmos gostos (se o relacionamento for bom, senão fica cada vez pior até acabar de vez, rsrs).
É normal.

Mas não dá pra ser 100% o outro!
Até porque, hello!, isso mega sufoca!
A pessoa perde inclusive o interesse no camaleão - com o tempo ele mimetiza tanto o que o outro faz, age e pensa, que não acrescenta nada de novo, de diferente ao relacionamento.

Então, se cuida camaleão!
Fica ligado pra não mimetizar sem perceber.
Cuidado pra não deixar de viver a sua vida... e um belo dia acordar sem ela!

7 comentários:

Mundo da Fer* disse...

Lise esse teu post é de uma utilidade pública menina!Odeio que faz isso quando começa a namorar,eu sempre digo que amores sempre vem e vão e amizades são duradouras e não se encontra numa balada qualquer.
Eu e o Guilherme por exemplo,temos muitas coisas em comum,mas também discordamos em diversas outras coisas e nem por isso eu ou ele tentamos viver a vida um do outro.
Acho que relacionamento e amizades tem que sem como um combo.
Bezos!

Aime Chiquini disse...

Adorei o post Lise!!!!!
Muito bom.... Fico hiper incomodada com essas cosias...
É ótimo quando vc ve que o seu par acrescenta na sua vida, mas é triste pra nós espectadores quando vemos que nosso amigo/a muda de acordo com a vida do outro e se anula e se esquece... Minha avó era assim e ainda é... Mas é tão triste, pq com o tempo vc ve que o par dessa pessoa perde o interesse, pq não é interessante namorar nós mesmos, não tem mistério, ninguém se relaciona com o espelho.
É triste.
Mas é tão comum!

=]*

Maela disse...

Pessoas que se anulam recebem nenhum interesse de minha parte....

Anônimo disse...

Me deu um baque, e me abriu os olhos. Acho que faço isso incoscientemente. Venho brigando por um casamento de 2 anos, no qual nem sei mais quem sou. Só vivo a vida dele. Preciso repensar algumas coisas. Obrigada.

Anônimo disse...

Elise, tu é mesmo fd!
Eu tb já vi "isso".
Mas sabe um tipo de gente que eu tb acho mucho loca?
Aquela fulana (nunca vi homem fazer isto) que resolve que é tua amiga, amiga uma barbaridade.
A mulher liga pra show, pra boteco, pra shopping, pra qq coisa...
E conta a vida dela, da família, vai na casa da gente, convida pra viagens de turma, tudo pura camaradagem.
Aí... a filhadaputa começa a debochar da gente, de leve, repetir uma coisa que a gente diz, ou lembrar pra quem nem sabe um momento ruim da gente.
Depois começa a ficar mais óbvia, diz um palavrão pra ofender, convida pra alguma coisa e "esquece", por aí vai.
Que merda será essa?
Cada vez acredito que a gente só faz amizades no começo da vida.
decepcionadacomaraçahumana MODE ON

Andreia disse...

Sou meio camaleoa, mas no bom sentido. Sempre tento aprender coisas novas, mas sem perder minha identidade. As mudanças mais significativa ocorreram com meu marido.

Parei de fumar, deixei de ser sedentária e passei a torcer para o time dele (ele é fanático por futebol). Ele, em compensação, começou a ler mais, gostar mais de política e ter uma alimentação mais "saudável" (ainda brigamos por isso rs). Foi uma boa troca, vale a pena cada segundo.

Eu costumo falar que casamento é uma das coisas mais loucas do mundo, pq pegar 2 pessoas completamente diferentes e colocar na mesma casa para conviver com hábitos diferentes é coisa de maluco, mas não sei como, dá certo e ainda achamos bom rs.

Já o convenci a fazer a viagem dos meus sonhos, ele está tentando me convencer a casar no papel rs.

As vezes ser camaleão não é tão ruim assim.

Adoro seu blog !!

Bjs

Camila Monteiro disse...

Elise, é verdde isso, o negocio é acrescentar algo sempre!!! Ser igual nao tem graça!!!!
Adorei esse post!