sábado, 15 de janeiro de 2011

PRATICANDO A FLEXIBILIDADE


"Eu. Eu. Eu"
Tudo do meu jeito. O famoso "my way or the highway".

E você lá acha isso bonito?? rs

Depois de uma conversa com um amigo, fiquei matutando.
Há que ser flexível nessa vida! rs.
Tá certo que as pessoas tem suas preferências, gostos e peculiaridades (oi?! Sra. peculiaridade falando aqui!), mas a gente não pode fazer o que quer e gosta nos mínimos detalhes sempre!.
Aliás, vivo falando isso pra minha filha. Mas ela tem só 11 anos.
Era de se esperar que adultos já soubessem disso, né?? rs

E como tem gente inflexível nesse mundo, peeps!
Até pras mínimas coisinhas esquentam - só comem em determinados restaurantes, só ouvem um determinado tipo de música, são contra isso e aquilo...
Você vai pedir uma pizza, e o pentelho só come se for de calabresa-com-massa-fina-sem-cebola-e-azeitona-extra, por exemplo. Você quer ir num barzinho, mas ele se recusa a ir ao bairro tal. Você quer dançar numa boate, mas ele não dança aquela música nem sob ameaça.
E nem são coisas que realmente causam repulsa a ele. Na maioria das vezes é só mania de querer impor a própria vontade mesmo. Ou incapacidade de ceder. Ou apego à "persona" que ele criou pra ele.

Você viaja, e metade da excursão combina de sair pra pescar tal hora; daí a outra metade briga ferozmente, pois acha que sair meia hora mais tarde é muito melhor.
Ai, ai, ai... faz mesmo diferença na sua vida isso???

Vejo casais assim. A mulher não gosta, sei lá, de futebol (ou golf, ou...) e quando o cara chama ela pra ir com ele num jogo, ou assistir na casa de um amigo... ela não vai nem a pau! Nunquinha! Nem pra agradar o pobre, uma vez. Tá bom, eu também não sou fã de futebol, mas deixaria de assistir à Copa com os amigos por causa desse "detalhe"? rs
E por aí vai.

Praticar o EASY GOING faz bem!
Até porque, nada mais chato também do que ser previsível.
E a pessoa que só faz o que está habituado e gosta sempre, nunca passa experiências diferentes.
Fica sempre naquele MUNDINHO.

Tá bom que você odeia samba, por exemplo... mas se seus amigos forem pruma roda de samba um dia e te chamarem, você nem vai cogitar ir? A música pode não te agradar... mas e a companhia? E a diversão? E o resto?
Mal de todo, você vai ter história engraçada pra contar!
Você só se diverte se TUDO estiver nos seus conformes?
Posso ir uma vez ou outra a um lugar desses, mesmo sem ser minha praia e minha tribo, e outras coisas vão compensar! (uma vez ou outra pode rolar de você não se sentir bem fora do seu ambiente, normal. Mas.... sempre??)

Cara, eu não sou de samba, não compraria cd, nem veria dvd de show.... mas vou dar xilique se um amigo colocar um dvd de samba num churrasco? Ou deixar de sair com fulano porque ele curte Ivete Sangalo e eu não suporto? Na minha privacidade, posso não suportar - em sociedade tenho que me acostumar a pelo menos tolerar.
Vou emburrar?

Já pensou que nego pode olhar pra você e pensar: "fulano? Mas é NUNCA que a gente encontraria fulano aqui ou fazendo isso!". Cruz credo ser tão previsível assim!

Você é nerd, mas não pode fazer uma trilha nunca?
Você é fashion, mas não pode comprar numa Renner nunca?
Você é pagodeiro, mas não pode ir numa boate de Techno nunca?

Eu não me imagino em um monte de lugares, e fazendo um monte de coisas. Mas se surgisse o ensejo de estar ou fazer uma coisa que não é o meu normal, e houvesse outras vantagens... por que não??

Dia desses espantei uma amiga.
Ela me chamou pra almoçar em Guaratiba, e  depois falou que conhecia um lugar que fazia um peixe ótimo, mas que era muito simplesinho e que eu talvez não fosse gostar. Ficou chocada quando eu topei, e disse que amava peixe, que não tinha frescura com comida, e que adorava um "pé sujo alimentar". Ela disse que eu tinha cara de só gostar de comer em lugar chic e maneiro.
Sabe porque eu tenho essa cara?
Porque é VERDADE! Eu GOSTO de comer bem, adoro lugares maneiros... mas isso me impede de de vez em quando comer um angú à baiana no "carrinho da tia", no meio da rua? Faz favor, né!

A gente tem que praticar o easy going.
Eu também; tenho trabalhado muito nisso.
Praticar o "tanto faz".
O "escolhe você".
O "qualquer coisa pra mim tá bom".

Tá bom que você acha estupidez fazer certa coisa, mas pra agradar alguém que você ama, por que não?
Tá bom que você não morre de amores por certas coisas, mas se alguém que importa gosta, por que não?

Tá bom que Iron Maiden não é lá minha banda favorita, e eu praticamente não conheço música nenhuma. Mas se o B gosta e quer ir... por que não? rs

Easy going, baby... ;)

15 comentários:

Teylite disse...

Me identifiquei horrores com esse post Elise até pq acho que sou a rainha da flexibilidade hahahahha mas praticar o tanto faz é fogooooo pq se eu não escolho pra onde ir meu bem... ninguém nessa família e amizade sai de casa hahahah. Acostumei mal meu povo a sempre dar idéias e testar todos os lugares da minha cidade que qnd eu não chamo ng pra sair, heheehe NINGUÉM SAI. Preciso mandar o meu povo ler seu blog!!

Beijos :)

aime disse...

Otimo post!!!!

Acho que esse tipo de pessoa, mimada, não tem nem noção do quao limitadas elas ficam por causa disso e que essa auto-limitação imposta por elas mesmas fazem com q elas percam coisas maravilhosas da vida.
Eu só conheci meu namorado pq fui numa balada num lugar q eu nao gostava, com musicas q eu nao gostava... E ele a mesma coisa, ele nao suporta pagode/samba/funk.... SO foi pq tava com os amigos assim como eu...
Sao surpresas q a vida nos reservam.... E q se a gnt nao se propuser a passar por cima dos preconceitos nunca as teremos!!!

Karina N disse...

olá Elise!
Leio o salada tds os dias já fazem alguns meses e.... vc aborda uns assuntos que sei lah pq mas são coisas q questiono em mim msm e nos outros tbm! Concordo com vc no easy going mas ás vezes esqueço disso! hehe Thanks por me fazer relembrar!!! =)

Ruiva disse...

Mas trilha é uma coisa que eu realmente nao faço. FRACA é meu nome do meio. E Deus me livre de atrapalhar o passeio alheio com meu pé torcido, ou uma sincope por causa do calor.
rsrsrsrs

De resto, a gente negocia.

Jussara disse...

Muito bom!
Acho legal, de vez em quando, fazer o gosto de outra pessoa, sair da nossa zona de conforto. Dependendo do programa, é no mínimo, uma experiência antropológica. rsrs

Assim como sua amiga, eu tb não te imaginaria comendo num lugar simples. Só que não é pq é simples que a comida é ruim, pelo contrário, ainda mais esses que fazem peixe, geralmente os mais simples são os melhores! (o que não quer dizer que são baratos). Mas restaurante simples é bem diferente de carrocinha que vende comida na rua, nessas eu não como. Por nojo mesmo, confesso.

Agora, tb não dá pra cair naquela de só querer fazer o gosto do outro. E quando o fizermos, temos que estar num bom dia, se não, é mau humor na certa. Em Brasília, me levaram pra almoçar num lugar simples, rs, só que naquela cidade de concreto faz um baita calor seco dos infernos, e nós ficamos sentados ao ar livre, em mesa com guarda-sol, o que não aplacava em nada o calor, e ainda deixava parte dos nossos corpos no sol. Nem fui perguntada se queria comer lá, simplesmente fui levada pq a pessoa que mora lá gosta do lugar! Confesso que não gostei, eu detesto passar calor, ainda mais na hora de comer. Enfim, pra fazer coisas onde vamos apenas agradar o outro, temos que primeiro querer e estar de boa vontade.

Maela disse...

Super de acordo!

Até porque tem coisas que eu "achava " que não gostava, ams por não ser preconceituosa e topar o programa/comida/etc acabei curtindo.

Claro que é improvável eu topar coisas que vão contra minha educação e/ou conceitos morais, não vou cheirar pó porque tem um amigo que curte, não vou fazer racha porque é divertido, nem participar de roleta russa, ( posso incluir carnaval na Bahia?? ), mas fui no show do Simply Red com o Bob pq ele curte e adorei! Comi rabada e adorei! Comí cérebro e detestei, mas isso vale boas risadas até hoje!

Anônimo disse...

cara q post enoooooorme e cansativo.mermã tu tá ficando muito chata.fikdik

Lisse disse...

Anônimo, dica pra vc... se não está contente, vá ver o site da Xuxa.

Anônimo disse...

Well...
Meu relacionamento com namô está ruindo por isso... eu não curto as coisas que ele curte, mas vou na boa, pela companhia. E não fico com cara de cu não!!! Mas na hora do "ao contrario", ele não vai.
Ele curte trabalhos voluntários e ocupa os sábados com isso. Pedi para ele dividir, nada. Nunca se incomodou. Até que EU arrumei OUTRA COISA para fazer nos sábados (sem ele, claro. Aí, temos um problema.
Porra, enquanto ele estava ocupado e eu em casa, tal qual a Rapunzel na torre, tudo bem, nós não temos diferenças... maaaaaaas... foi só eu arrumar um grupo de amigas...
Bom é isso.

Claudio Barretto disse...

Isso é a falsa impressão de "personalidade forte". A pessoa que age assim acha que passa essa ideia. Mas de fato passa: ideia de personalidade fortemente chata.

Posts à parte, nem adianta me chamar pra ir a baile funk.
Nem fuu!!! hahaha

aime disse...

POutz.... Ta aí Claudio... BAile funk e comida de carrocinha... NAO DA!!!!!
E tb NO way comer olho de cabra, buchada, rabada.... Coisas assim mto exoticas, com cheiro ND apetitoso ou com cara de comida ruim... NAO da!!
COmo com os olhos... Se nao for bonito e cheiroso nem quero!!! haiuahiauhauihui
Mas comida de carroicnha nao da nao... ja pensou intoxicação alimentar?! Ate hj em sp nao viuma carrocinha q parecesse limpa!!!
ME atenho a comer pastel no tio da frente da minha antinga escola Esse sim, carrocinha maravlhosaaa!

Caroline® disse...

Eu sou fresca pra cacete pra fazer coisas que eu não gosto. Minha sorte é que meu gosto é beeeem variado. Pensando bem, eu sou é bem desapegada: chamou prum pagode, eu vou; prum rock, vou; pra ópera, tô lá. Restaurante fino, se eu puder pagar, beleza. Pé sujo, se não tiver baratas (rsrsrs) também. Até show de sertanejo - afffe - eu já vi. Só não me chame pra um programa: ir pra roça, interior, essas coisas. Isso não. Ou chame, com jeitinho. De repente eu mudo de ideia... Sou ou não sou easygoing?

Ah, tem um programa que eu não faço MESMO: cultos religiosos de qualquer espécie. E só porque depois de conhecer vários, não me identifiquei com nada, e virei agnóstica.

Daniel disse...

Como o Claudio disse, tem coisas que não rola... dar um tirinho em pó... baile funk... uma pitada de crack, para mim essas coisas eu não faço, não vou e pronto. Você vai, bom pra você, eu preferia que você ficasse ao meu lado, mas não vou.

Agora porque gosto de Iron Maden (e gosto mesmo, e vou no show), mas estou num churras, vou pedir para não colocar um Sambinha... se bobear até batuco hahaha.

Festas, de casamento, de aniversário em buffet (a fantasia então), de batizado o que for, depois de algumas doses, seja de wisky, vodka, tequila ou algo do gênero eu Valso com a tia, sambo com a sogra e vou até o chão num funk com as primas... de Boa... (no dia seguinte pode até rolar comentário, a desculpa vai ser do João Andarilho, da Dona Ciroc ou do Corvo José.

Agora, se não for tranquilo para quem estiver comigo essa flexibilidade e tem que chamar isso de volatilidade. Dai prefiro ficar tranquilo... (não que eu saiba largar uma pessoa, não sei viu!!! mas fico sussa), como diria Lionel Ricthi: "I'm easy like Sunday morning"
http://www.youtube.com/watch?v=waV741V1MHY

Beijos do Saladeto Eaaaasy...
Danibron

Juliana disse...

Eu sou super flexivel, vou nos shows de hard rock com o namorado e ele vi nos de mpb comigo e a vida flui linda entre nós.

Nós gosto de samba, mas na faculdade tinhamos uma amigo que tocava numa banda de samba (?) e ele encheu a porra do saco pra gente ir, e eu fui, fiquei muito louca sambei muito no pandeirao ofereci muita musica hahaha.

Mas nao vou em baile funk, sério. Já fui no Rio em casas que tocavam funk e foi muito tenso, entao prefiro nao voltar.

Não como nada do mar, mas se eu for a unica a nao comer, nao me importo de ir com t mundo já "jantada" e tomar só uma bebidinha.

Anônimo disse...

pera,uva ,maçã,SALADA MISTA...
pensei q fosse esse o blog tão chato quanto.