quarta-feira, 11 de maio de 2011

SE UM DESCONHECIDO TE OFERECER FLORES....

(imagem: reprodução)



Se um desconhecido lhe oferecer flores, isso é.... IMPULSE!
(inocente comercial de desodorante dos anos 90)

E não um tarado, pedófilo, maluco, bipolar, despombalizado, que vai querer botar drogas nas flores, te dar um "boa-noite cinderela", roubar seus rins, ou praticar BDSM com você!

Saudade da inocência, que eu tou.
Da inocência das banquinhas de venda de limonada das crianças (mesmo se fosse só no episódio do Chaves!)
Época em que a vigilância sanitária não embargaria a venda da limonada, os fiscais pediriam propina, os clientes iriam querer saber se ao limão era transgênico e as dondocas quantas calorias tinha por copo...

Doce ilusão de que os tempos de outrora eram mais fáceis - toda época tem seus problemas.
Mas não era tudo tão complicado e neurótico.
A gente não sentia vergonha de ser bobo. De ser inocente.
Quer tempo mais bobo e inocente do que os anos 80, com suas roupas e músicas melancólicas e sem medo de ser brega?

Essa inocência me faz falta.
Essa ingenuidade.
Hoje estamos vivendo a era dos corretos.
Todo mundo competindo pra ver quem é mais correto.
Nossas escolhas não podem ser bobas.
O "gostar" não é mais relevante - medimos nossos gostos e escolhas de acordo com o grupo ao qual queremos pertencer, ou de acordo com o que é correto.
Nos alimentamos de forma "correta", escolhemos causas de forma "correta", escutamos e assistimos o que é "correto", nos vestimos, falamos.... só de forma "correta'.

Tempos em que manteiga e açúcar são arquivilões da humanidade.
Tempos em que uma pessoa onívora regular, que come bife, é perseguida como se gostasse de comer filhotes de focas vivos!
Tempo em que estar acima do peso é defeito de caráter.
Ai, que medo desse tempo!

A inocência nos faz menos hipócritas também. E como o nosso tempo atual é hipócrita...
Precisa de manual de regras pra viver nessa sociedade.

Sinto muita falta também da inocência da minha virgindade.
Ai, que saudades da minha virgindade!
Não daquela membrana ridícula, que não significa nada.
Aquela inocência virgem que nos permitia ficar horas e horas beijando, e só.
Porque quando a gente é virgem, aproveita a inocência ao máximo.
Que importava engolir ou cuspir, por cima ou de costas, quem botava o que onde, hetero, gay, trans ou homoafetivo?
Nos importava era beijar.
Era acariciar. Com calma, e ao mesmo tempo com ansiedade.
Era descobrir o outro.
Era taquicardia, borboletas no estômago.

Hoje, a nossa pressa e falta de inocência é quase uma mata-borboletas, um Baygon.
Quem tem tempo para elas?
A gente está mais preocupado com o nosso desempenho - eles, se vão saber fazer tudo. Elas, se vão deixar que eles façam tudo.
Neurose pra trepar que estraga o negócio.

Ser inocente não tem preço.
Te permite ser livre.
Livre do medo de parecer bobo, livre do medo de se expor, de se mostrar.
Do medo de gostar e não ser gostado de volta.
Ser ingênuo e inocente te livra de ser um vellhaco, safo.
Porque tantos velhacos safos juntos estão cansando o convívio.

Saudades disso.
Desse "é porque é", sem explicação.
Sem racionalização.
Sem neurose, medo, motivos obscuros, sem levar vantagem.

Saudades do tal desconhecido que queria te oferecer flores.
Não pra te levar pra cama.
Só porque te achou bonita.
Saudades desse Impulse.

25 comentários:

Thais Belo disse...

de tudo que vc disse, sinto mais falta das borboletas no estomago e de beijar ... beijar ... beijar ... !
Hoje ja namorando a 6 anos, beijo mto mas não como beijava quando tinha meus 17 anos, inocente e virgem!
saudades demais !
bjs, e to doida pra ver o "lock" novo do salada, ah me segue no meu blog ia ficar super contente: www.comoandathaisbelo.blogspot.com
bjs !!

Rick disse...

Você anda numa fase para escrever incrível!
O que já era muito bom tem ficado cada vez melhor!
Concordo com tudo!

Parabéns!

Val- Coisas da Val disse...

Ai, Elise, me deu uma saudade enorme de tudo isso. Será q dá pra voltar a ser inocente, pelo menos por uns minutos?

Marcinha disse...

Caraca, eu no alto dos meus 35 anos e 6 meses de gravidez C H O R E I ! ! ! Amei o texto!!!

O meu pensamento viaja disse...

Elise ... estou sem palavras, eu que sempre as encontro, eu que as controlo e raramente permito o contrário ( porque sou politicamente correta...), eu estou sem palavras!!!
Costumo dizer, quando viajo e viajo muito, que tão importante é visitar as obras de arte do Louvre, como comer um belo jantar, bebendo um pouco para além da conta, ou dormir num hotel mais extravagante, porque o que importa na viagem, não é o fim geográfico, são os momentos.
Quer melhor viagem do que a vida?
Pois , primeiro a sua visita que eu abertamente desejava, depois o seu texto, o tal que me deixou sem palavras, encantada, invejosa, rendida, mas sem palavras, foram MOMENTOS que me tocaram, me fizeram crescer por dentro, me enriqueceram como mulher e como ser humano.
Elise, fique desde já sabendo, não te vou perder de vista.
Obrigada pelo momento que acabo de viver.
Beijos,
Nina

Anônimo disse...

Elise, adorei o texto!!Muito mesmo! Mas...pelo jeito eu já me "contaminei" com os modos de agora!hehe Não sinto saudade de nada daquele tempo que não sejam algumas músicas! E pra isto eu tenho a solução: baixo na internet ou compro cd e resolvido o problema.Meu vinculo com o passado canalizei todo ele para a minha profissão/paixão que é a arqueologia, e também historia da arte.Já me sinto satisfeita!
E, também tenho um porém no que se refere a flores: se elas não vierem acompanhadas de uma jóia legitima e maravilhosa, não precisa nem o sujeito se dar ao trabalho e gastar os poucos trocados em me oferta-las.
Linda, adoro teu blog e o espaço que você oferece aos teus leitores de cada um ter sua própria opinião sobre os vários assuntos!!
Beijos!!
Sophie Goldrin

Anônimo disse...

Elise, será que essa sua impressão saudosista não tem a ver com o fato de que nos anos 80 você era criança não? A forma com a qual vc via o mundo naquela época é diferente da atual, claro. Eu me enquadro nela, achava o mundo bem mais ingênuo e leve, porque, eu era mais ingênua e leve. Mas concordo com várias coisas que você disse, principalmente com o: "Hoje estamos vivendo a era dos corretos.
Todo mundo competindo pra ver quem é mais correto."
Isso é um saco, o politicamente correto tomou conta de tudo. Eu lembro que nos anos 80/começo de 90 era normal na sessão da tarde aparecer peitos de mulher de fora... hoje em dia isso é impensável. Tem até um filme em que o peito aparecia, mas depois que foi passar o mesmo filme, já devia ser depois de 1994, a cena foi cortada.
O passado tem várias coisas boas como a menor violência, mas não acho que as pessoas eram mais ou menos boazinhas não...
E isso da manteiga e açúcar serem endemoniados hoje, vejo isso como uma evolução. Minha mãe tem um livro dos anos 60, herdado de minha vó, que toda receita levava "banha"... hahaha.

ni

Anônimo disse...

Eu tenho que aprender a reler as mensagens antes de postar, pra não passar vergonha.

ni

Nicolas disse...

Elise,
Gostei da inocência! Precisamos dela pra não perder a graça. Se fosse pra achar o culpado seria o avanço da tecnologia, internet e descaso dos pais por acharem que tudo se limita a ter mais dinheiro para silenciar os filhos. Mas tb não tapemos os olhos para oq era necessário para manter essa doce ilusão de inocência: manter muitos, mais que hoje, ignorantes. Dá-lhe pedagogia antiga nas quiança!!!rsrsrs...bjs

Ariane disse...

Se eu te falar que pensei nessa inocência do beijo hoje de manhã, você acredita?!

Fiquei lembrando da época em que beijava tanto, beijava e só beijava, sem aquela pressa para te jogar na cama!
Quando sentia borboletas no estômago!

Já cheguei a ficar com a boca roxa, isso mesmo, ROXA! De tanto beijar um moço na balada! (Ele "sugava" um pouco) ou com dor no maxilar...

E hoje esse só beijo está quase extinto!

Saudadessss

Renata disse...

PERFEITO! Amei!

Helen disse...

Elise!

Mais uma vez, teu texto me arrancou lágrimas, lágriams de saudade de umtempo que vivi tão pouco...
Parabéns e tou louca pra ver o Salada de casa nova!

Beija!

Laine Santtos disse...

Falou tudo Elise! A gente não tinha noção do quanto era boa essa época, saudades infinitas dessa inocência...
Bjos :)

Licele Faial disse...

Sinto saudade disso também..
Sinto saudades dos beijos, longos e descompromissados...

Caco Branco disse...

Eu tava pensando nisso ontem, sério, devido a coisas que acontecem a nossa volta hoje, que antes nem prestávamos atenção, não existia preocupações, o máximo de drama que acontecia era chorar no quarto uma tarde inteira pq o gatinho da escola tava beijando outra menina, que saudade da minha inocência, gostaria de saber quando ela me deixou, como foi???
hoje eu adoraria fechar os olhos e quando abrir poder voltar a esse tempo, nem que fosse por um dia, seria tão bom, um dia sem preocupações, só pensando nas coisas banais da vida! bjoo

Sara disse...

Elise essa inocência faz muita falta mesmo. O mundo cultua um liberalismo generalizado. As novelas do Manoel Carlos, por exemplo, prega que o normal, na atualidade, são os casais traírem seu cônjuge. As garotas de 17 anos (17 anos APENAS) não podem ser mais virgens, pois isso é muito careta, tem mais é que liberar geral. É por isso que odeio as novelas daquele velho sem noção e pernóstico, mesmo que muitam pessoas venham me dizer que AMAM as novelas dele.

Silvia Maria disse...

Ahhh... É. Dá saudades... saudades da inocência...

Georgia disse...

Muito bom...e eu ainda reclamava dos tempos de escola...

Anônimo disse...

"Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
— Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
A sombra das bananeiras
Debaixo dos laranjais!"

É muito bom recordar!!
rsrs
Nina

Liz Gusmão disse...

Perfeito!

É tudo o que eu consigo dizer agora!

Realmente tenho saudade de toda a inocência que tínhamos no tempo de criança, que receber flores era uma felicidade.

E... já se foi o tempo de tanta coisa boa que não volta mais...

D.C. disse...

Lamento se parecerei lacônica,mas faço das tuas,minhas palavras! Ipsis litteris...(suspiro)

Beijinho azul,
D.

P.S.: ontem a noite foi a segunda vez em que sonhei(oniricamente falando)com você.

Aime Chiquini disse...

Perfeito!!!
Sem palavras.
Saudades dessa época.
Saudades de taaanta coisa!

Jade disse...

TPM te deixa mais inspirada que o normal , Elise? rs
Adorei o texto..me peguei viajando...e tive que voltar a ler do começo!
Sexta podia chegar logo né?Vai ter um SUPER texto inaugural? hehehe

Beijos

Adriana Pereira disse...

Era bom, né!!
Tenho tanta saudades de quando tudo era tão simples, cheguei a pensar que era pq fiquei adulta e ai as coisas complicaram, mas foi o mundo que complicou, ficou tudo tão chato...
Dá uma canseira não dá?
Beijos

Camila Monteiro disse...

Nossa, concordo com cada palavra tua! Faz falta poder se distrair sem se preocupar com tudo!
Excelente texto Elise!