quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O PORRE


Meu primeiro porre.

Essa história bem podia começar com "quando eu tinha 18 anos...". Infelizmente ela começa com "no último domingo...".
Eu sei. É triste ter tido o primeiro porre sério aos 34 anos. Vergonhoso. Mas vocês esperavam o quê da senhorita "eu-não-gosto-de-perder-o-controle"?

Bom, antes de contar essa história vergonhosa, deixa eu contextualizar.
Eu não bebo, lembram? Não é eufemismo pra dizer "eu bebo pouco, umas 3 cervejas". Não. Eu não bebo mesmo.
Não considero UM Mojito eventual, beber. UMA taça de vinho num eventual jantar. Dois goles de cerveja numa degustação. E essas poucas doses já me causam alteração.
Sacaram?
Pegaram o espírito da tragédia se anunciando? Então vamos que vamos.

Domingo um casal amigo nosso nos chamou pra uma reuniãozinha na casa deles.
Eu queria muito vê-los, mas o B, apesar de também querer, tinha que dar uma trabalhada e tínhamos a questão da criança. Resolvi dar um pulo lá SOZINHA.
Eram umas 8 da noite, e combinei de ficar um pouco lá, até às 10 e voltar.
Rá.

Cheguei lá e estava todo mundo MEGA animado, conversando e dançando na varanda; eu não conhecia o pessoal amigo dos meus compadres, mas de cara achei todo mundo divertido. E eu me empolguei.
É a única coisa que posso dizer em minha defesa.
Resumindo a hora seguinte, posso dizer que juntar uma hipoglicêmica, tomando remédio pra emagrecer, de estômago vazio e desacostumada a beber, com 3 doses de qualquer coisa alcóolica, nunca poderia dar certo mesmo!

Meus dedinhos começaram a formigar, minhas pernas pararam de obedecer, e meu compadre Rafa tirou o copo da minha mão dizendo "você vai passar mal".
Como em determinado momento eu já tinha até tirado os sapatos e a meia-calça, num impulso no meio das pessoas (ok, eu não lembro o porquê, mas tirar a roupa é uma tendência minha em situações que envolvam álcool. Mesmo em doses ridiculamente mínimas), eu acreditei.
Pois não demorou meio minuto.
Como eu estava TOTALMENTE consciente, e vi que tinha feito besteira, tentei me levantar pra ver se passava logo. Pensei em pegar uma água. Só que caminhar da varanda até a cozinha estava complicado - a) porque meus membros inferiores tinham virado geleca e b) pois eu tinha de atravessar algumas pessoas em pé dançando, conversando e tals.

Vou te falar, é a sensação mais bizarramente horrível que já senti: parece que sua cabeça DESCOLA do pescoço, dá um giro e volta pro lugar num baque. Não são as coisas que rodam ao seu redor, é você quem roda. Acredite em mim se você nunca passou por isso - não é NADA divertido.
No meio do caminho, meu amigo Rafa me mandou deitar na cama dele.

Pra vocês verem como eu estava terrível - não fiz nenhum gracejo sobre deitar na cama dele, comentário sarcástico que normalmente sairia da minha boca automaticamente.
Só que não fiquei deitada um minuto - foi um erro baixar a cabeça, e eu fui assaltada por um enjôo tão violento, que achei que fosse vomitar ali mesmo. Pior é que eu só pensava "caramba! Não posso vomitar na cama do Rafa!" Tudo bem que a cama é da Déia também, mas ele é que é o certinho do casal, e eu só pensava nele, rsrs.

Sei lá como, eu me forcei a levantar, e mesmo com a cabeça brincando de descolar do pescoço, consegui tropeçar pra dentro do banheiro da suíte.
E aí, mermão, foi cena de O EXORCISTA!! Acho que só faltou eu girar a cabeça 360 graus mesmo!!

Não vou entrar em detalhes, pois eu estou mortificada (sério) até agora. É como eu disse - esse negócio de blackout de bebedeira é lorota - eu lembro de (quase) tudo, e estava consciente o suficiente pra estar morrendo de nojo, raiva e vergonha. Eu sou toda cheia de frescurinha com aparência, imagina o suplício!
Pior é que meu cérebro é terrivelmente crítico, e enquanto eu botava os bofes pra fora, como se não houvesse amanhã, não parava de pensar e me recriminar.

Eu estava tão mal, que consegui uma posição abraçada à privada em que a zonzeira dava uma trégua, e fiquei lá imóvel. Até respirar estava difícil, que fará falar, abrir os olhos ou qualquer outra coisa.
Nisso escuto o Rafa entrando no quarto atrás de mim, e sem me encontrar começou a me chamar "Elise? Elise? ELISETE?" (ele me chama de Elisete pra me provocar, rs). Falar, eu não conseguia. Então comecei a arquejar e respirar bem fundo pra mostrar a ele que estava no chão do banheiro.

Quando ele finalmente me achou, acho que balbuciei um "desculpe", ao que acho que ele respondeu alguma coisa como "você é minha irmã, ué" e foi chamar a Déia. Ainda bem que descobri que não sou dessas bêbadas chatas que choram ou ficam agressivas, pelo menos isso, rs.

Déia me encontrou na mesma posição, que por mim estaria até agora, tal era o medo de me mexer e tal era a náusea que eu sentia. Começou a falar comigo, molhar meu rosto, minha boca, afastar meu cabelo (que mesmo sendo curto, eu consegui manejar de vomitar TODO), eu pedi vagamente pra chamar o B, e ela avisou que o Rafa estava providenciando. e tentou me convencer a voltar pra cama.

Olha, agora eu entendo; todas as vezes em que algum amigo meu passava por isso, eu (sempre eu, a sóbria que cuida dos bêbados) insistia à beça pra deixá-los mais confortável, levá-los pra uma cama.... descobri que a pessoa não quer se mexer por um tempo. Com motivo. Melhor deixá-la no chão do banheiro um pouco, rs.

Aí, do nada eu comecei MESMO a ficar preocupada. Porque eu comecei a ter uma taquicardia MONSTRO e suar e tremer que nem uma louca. Talvez tenha sido pelo nervoso, mas na hora o que pensei foi - o remédio pra emagrecer! Eu não tinha tomado naquele dia, que não sou louca, mas tinha tomado no anterior. E se tivesse ficado no meu organismo?
Há poucos anos perdemos uma conhecida que tomou remédio pra emagrecer, bebeu e teve um ataque cardíaco. Com 30 anos.
Eu fiquei APAVORADA. Achei que fosse morrer de verdade.

Déia também deve ter ficado preocupada, pois me ameaçou que se eu não levantasse e fosse pra cama imediatamente, chamaria o Rafa pra me levarem ao hospital. Hospital, palavra mágica! Comecei a fazer força pra levantar.
... e acabei na cama. E apaguei.

Acordei umas 3 horas depois, com frio, me sentindo imunda e enjoada. Mas a cabeça já não rodava tanto. Déia estava deitada ao meu lado.

Levantei a cabeça pra pegar água, e dei uma gemida. Ela levantou, pegou água com gelo pra mim, mandou não me mexer muito. O Rafa chegou na porta do quarto e perguntou como eu estava. Eu respondi "um lixo", e disse a ele que ele teria de queimar os lençóis, travesseiro e o escambau no dia seguinte.
Posso estar imunda e morrendo, mas faço questão de fazê-lo com bom humor, rsrs.

Déia me mandou voltar a dormir, me cobriu, me garantiu que o B não podia vir porque o carro estava comigo, e ele tinha que ficar com a criança, mas que eles cuidariam de mim.
Aí eu fiz o pedido mais bobo da noite - perguntei a ela se ela me dava a mão, porque eu estou muito acostumada a dormir apoiada no B, e tenho uma dificuldade incrível de dormir sozinha. Parece que vou rolar na cama, sei lá.
Ela na maior paciência do mundo me deu a mão até eu dormir.

Pra encerrar essa história deplorável e embaraçosa - acordei por volta das 6, consegui levantar, botei os sapatos e fugi, rsrs. Brincadeira. Déia me viu sair, e abriu a porta pra mim. Não sem antes me fazer garantir que estava melhor.
Eu estava um caco, mas PRECISAVA tomar banho, queimar a minha roupa e ir pra minha cama, sabe como??

Cheguei em casa, tomei uns 200 LITROS DE ÁGUA, escovei os dentes até machucar a gengiva (de nojo que estava de mim) e fiquei umas 2 horas me esfregando debaixo do chuveiro quente. Sentada no chão do box, claro, que eu estava fraca pra ficar de pé, e não queria acordar o B.
Quando achei que estava limpa o suficiente, ainda fiz um esforço enorme pra dar uma secada no cabelo (que deve ter demorado uns 40 minutos), passar creminhos cheirosos e perfume. Fiz questão também de escolher minha melhor camisola, mais linda, de rendas e tudo (acho que pra esquecer o estado em que eu estava antes), e..... DORMI O RESTO DO DIA TODO.

Só acordei pra comer alguma coisa, e receber uns beijinhos do B, que não perdeu a oportunidade de me sacanear até a última!

Inclusive ele EXIGIU que eu colocasse esse post.
Acho que em parte porque eu conto um monte de coisas nossas, e ele está se vingando me fazendo contar uma derrota tão derrota, rs. E em parte como penitência pela  minha burrice.

Pronto. Taí a minha história trash e embaraçosa, e da qual não me orgulho nem um pouco. Mas... eu sou humana e faço merda às vezes.
Voltei a ser a garota do guaraná zero, tá? Drinks, nevermore!

PS: mãe, sem sermões, ok? rs
Minha dor de cabeça de dois dias já foi castigo suficiente. Vamos deixar assim.

PS2: Rafa e Déia - desculpem o vexame e a bagunça de novo! Vocês são os meus amores. Pelo menos eu estava bem acompanhada, rs.

39 comentários:

Daniely Novo Kamaroff disse...

Para compensar esse momento cachaça, somente a Agnes falando: "QUE FOFIIIIIIIIIIINHOOOOOOOOOO"!!!
Ô FILÉ, DERROTA NADA, ACONTECE NAS MELHORES FAMÍLIAS!!!
BEIJO GRANDE

Anônimo disse...

Acontece, acontece...haha

Sempre fui de beber muito (principalmente antes dos 18 anos), mas só tive 2 porres na vida - ambos depois dos 23...haha

Em um deles eu estava totalmente consciente, no outro apaguei no banheiro.
Mas eu também mantenho a dignidade!!! No primeiro, havia tirado os sapatos no banheiro pq estavam fazendo bolhas... mas exigi que minhas amigas o trouxessem para que eu fosse embora de salto alto!haha

E da segunda vez, após vomitar todo o banheiro da casa de um amigo, me esgueirei até o armário da cozinha, catei todos os produtos de limpeza que encontrei, e lavei o banheiro!! hahaha às 3 da manhã, a família do cara dormindo ao lado... bizarro!

hahahaha
beijos!
Li

Rubinha disse...

Nossa Elise! Eu tb tive um único porre! Foi no casamento de um amigo! Não lá né? Lá só estava meio bêbada, a dignidade esculhambou mesmo quando cheguei em casa!
Vc tá até bem, no meu porre tomei um tombo escatológico (tá, nem tanto assim), tava deitada no chão sujo (prefiro não comentar de quê) com as mãos apoiando o rosto, as forças acabaram e cai de cara no chão!
E o pior: quebrei um dente! Da frente!!!! Em pleno feriado... foi uma dificuldade achar um dentista 24 hs no lugar que eu moro pra dar uma ajeitada.
foi muito trash!!
bjs e melhoras

Juliana disse...

Ah Elise, tinha que acontecer, sério.

E você não chegou a não lembrar das coisas pq o alcool bateu de frente com teu remédio e não foi suficiente pra um blackout, sério, eu não acreditava nisso, e achava que não apagava até acontecer. Mas eu era muito maluca na época da faculdade, e nem queria saber, na outra sexta já tava muito louca em algum pagode pelo mundo com uma menina de 16 anos que nunca vi na vida segurando meu cabelo...

Infelizmente blackouts existem! Infelizmente mesmo.

Uma dica pra não passar da dose é dar uma batidinha na ponta do seu nariz, se sentir dormente pare de beber, pq se continuar vai dar merda.

Ariane disse...

Eu ainda não tive nenhum porre!

Mas amei ver que a Senhora D. Elise também faz coisas como nós!!! kkkk

Bejoss

Juliana disse...

E eu tive muitos porres, muitos mesmo, o primeiro com certeza foi o mais traumático pq foi numa festa imensa e os médicos ameaçavam chamar meus pais se eu não melhorasse pq precisava de hospital.

Adriana Pereira disse...

Cara! Vc acredita que eu tenho 40 anos e nunca tomei um porre?? Eu não bebo, nadica de nada, nem vinho, nem licorzinho, nem nada. Tenho pavor de passar mal, de vomitar, de perder o controle.
Consigo imaginar exatamente como vc se sentiu pq eu tb sou assim, morro de vergonha, não quero dar trabalho, não quero incomodar... E depois de ler seu relato, tenho certeza que tenho que ficar no Zero Alcool.
Mas não fica com vergonha não, vc estava na casa de amigos e isso foi o que salvou. :)
Beijos

Anônimo disse...

Fica assim, não, acontece! o problema é que acaba ficando para a história, o tipo de coisa que todo mundo que presenciou gosta de lembrar para dar risada, haha...
O meu pior porre foi num casamento, de um parente do namorado (!! - vamos relatar aqui experiências vergonhosas pra vc nao se sentir só, hehe). Olha só, a gente tinha brigado antes da festa, e eu fui meio que obrigada. Aí, para dar uma aliviada, me joguei no whisky, achando que aguentava, e tal. Qndo fui ver, estava no banheiro do bufe, vomitando na pia, e a mãe do namorado segurando minha cabeça! e, pior, a filha dela estirada no chão tbm, pelo msmo motivo... sem noção, né?
beijos!

luciana

Renata Mel disse...

Ahhh Elise, não fique com vergonha não! Quase todo mundo passa por uma situação altamente vergonhosa envolvendo bebida. Eu também não bebo NADA (nada mesmo!) e já passei por uma situação tão vergonhosa que virou motivo de chacota para todas as minhas amigas. Tá bom, eu tinha 21 anos, estava triste com o término de um namoro, agi feito uma idiota (tristeza X sair com as amigas X bebida pra que não bebe não poderia dar boa coisa né?!), porém, precisava abraçar o vaso sanitário da casa da amiga, cantando Bee Gees e pedindo a ela que ligasse para o ex para eu consertar tudo e dizer o quanto eu o amava???!!!

Hoje em dia até meu marido em sacaneia por causa desta história!
Não fica chateada não... Pense em como vc nos fez rir nesta quarta feira cinza e sem graça! rs

Caroline® disse...

Pois eu bebo, e nunca tomei porre. O mais perto disso que eu chego é ficar tontinha, alegre, dando risada à toa. Isso com 5 ou 6 doses de uísque/vodca... Minha dica é: tome Coca-Cola! Quando eu começo a ficar meio alta, mando um refri pra dentro, pois corta o efeito da cachaça.

Duda disse...

Tadinha da Lilika....

Bruna disse...

Tadinha!!! Nossa dois dias de dor de cabeça, ninguém merece!!

Adrielle Anschau disse...

Ai, acho que comentei antes no post errado kkkk (e não to bêbada!)
Mas então de novo:
Foi brutal esse seu domingão heim!!
Eu nunca tive porre, o máximo que bebi foi umas 2 garrafas de Ice e já vi que fiquei "lenta" e parei. Não gosto de cerveja, vinho só tomo uma taça em ocasiões especiais. Mas tenho um sério problema pra lidar com o tem álcool no geral.
Tem vezes que me irrito só de olhar a pessoa bebendo, é uma coisa estranha, uma sensação muito ruim. Tem vez que penso que na minha vida passada devo ter morrido por conta da bebida ou tido uma vida complicada por causa de algo assim, mas deve ter sido muito bruto esses problemas, pq a raiva que sinto, a vontade de gritar e chorar é real e não faz nenhum sentido pra mim isso tudo. Nunca consegui explicar!!

Anônimo disse...

Ihhhh! Ainda bem que o meu porre foi aos 17 anos... Hoje, aos 42 dúvido que vc me veja assim novamente! Álcool NUNCA MAIS!
Liga não, amiga! Toda experiência é válida! (rs).
Bj, Mari.

Geovana disse...

Eu já passei da conta algumas vezes, mas porre mesmo só uma vez e realmente não lembrava de nada, só alguns flashs, então só fiz uma pergunta: "Fiz algo ilegal ou imoral?" A resposta foi não, então disse: "Ok... Então está tudo bem, o resto se ajeita".

Juliana disse...

Tenho uma conhecida que acabou de se separar, tem dois filhos, uma adolescente... Daí que a mulher descobriu a vida e foi com uns amigos nossos numa balada que rola swing no Rio, esqueci o nome...
Ela tava contando que se lembra de ter chegado, pedido uma caipirinha, ter dançado, e depois o lugar vazio e ela tomando leite condensado semi-desmaiada no balcão, depois um amigo dela a levou pra um motel, deixou tudo pago, money do taxi e tudo.

Ela disse que contaram que ela fez strip junto com as stripers da casa, ficou só de calcinha no palco...

A sorte, e o essencial, é ter sempre alguém de confiança junto pq imagina uma mulher sozinha ou com um filho da puta numa casa de swing super bebada...

Esse super primeio porre que contei tbm havia brigado com o namorado, mas os ingressos pra ir num desafio de forró e reggae de 24 horas (kkk ai meu passado) já estavam comprados, tomei um tal de duelo, umas 3 garrafinhas (praticamente alcool etilico puto) e tomava tudo que me ofereciam, era mega timida e dancei pacas com varios amigos, de repente pedi pro namorado me levar pra sentar e apaguei, lembro de uns flashes de dois seguranças me carregando pro ambulatório, do pai do namorado indo me buscar com o carro coberto por plásticos, e acordar morrendo de fome.

marisa moreira disse...

eu nunca nunca :)

Anônimo disse...

Cherrie, eu sei bem o que é a sensação de "porre e pos-porre"! Agora só bebo socialmente e muuuuuito pouco, pois minha última experiência foi traumatica!rs!
Eu estava de férias, na casa de uma amiga,e teve a festa de aniversário do CENTENÁRIO do avô dela e eu bebi demais além do meu limite (sou fraca para bebida!)e acabei protagonizando uma cena "dantesca":era verão, então estavamos todos com pouca roupa e eu comecei a tirar a roupa, abracei o velhinho com meus peitos de fora e tasqueilhe um beijo na boca! Minha amiga disse que todo mundo ficou olhando boquiabertos para mim! e o avô dela dizendo que este foi o melhor aniversário de toda a vida dele!!
Depois que voltei ao normal, senti uma vergonha gigante!
Nunca mais bebi tanto a ponto de perder o controle sobre os meus atos!rs!
Beijas e fica bem!!
Kris G.

Jackie disse...

Morri de pena de vc!
Também sou assim, ODEIO: não ser a dona de mim, coisas que me embaraçam e o desconforto do enjoô e da dor de cabeça. Isso tudo me afasta da "cachaça", e me fazem beber apenas pra confratenizar. Bom que vc estava entre amigos e ruim tb, vai ser eternamente lembrada e sacaneada...rs

beijos e cuide-se!

Anônimo disse...

Elise, hoje não bebo mais até ficar de porre, mas já bebi muito. E tenho altíssima tolerância à bebida, ou seja, preciso beber MUITO pra ficar de porre. Há uns anos atrás, dormi no banheiro por não ter condições de fazer o trajeto de ida e volta cada vez que ia vomitar. No dia seguinte, pior do que a ressaca física foi a moral, que vc. descreveu "lindamente" no post. Eu também ficava consciente até na pior das bebedeiras, e a lembrança no day after era pior do que qualquer náusea ou dor de cabeça.
Hoje em dia bebo, mas quando vejo que o negócio vai desandar mudo pra coca-cola sem medo de ser feliz.
Beijinhos, Cris Yumi

Bia disse...

hahahahahahaha to rolando de rir aqui! O dia do primeiro porre sempre chega! De passar mal assim eu fiquei poucas vezes, e sim, o blackout existe, eu só acreditei depois que aconteceu comigo, e normalmente está associado à vodka!
A ressaca moral é a pior de todas...eu só fico um pouco mais tranquila depois que pergunto pros meu amigos "eu tava chata?" e eles respondem "não, vc tava muito engraçada!"
Né...porque deus é pai mas ninguém merece bêbado mala!

Brenda disse...

Também tomo remédio pra emagrecer e morro de medo de beber por isso. Na formatura do namorado bebi UM bagulho azul borbulhante e o salto da sandália não obedecia minhas coordenadas rsrs.
E, apesar de ser liberal, também sou muito crítica em relação às minhas atitudes e me imaginei tendo a mesma reação que você. Faço tantas objeções que tenho uma espécie de ressaça pré porre rsrs

Hellen Tavares disse...

Adorei sua história! Qdo era mais nova tomava vários!

Mas agora tenho vergonha das m***** que fiz! rsrsr

Beijos
Hellen

http://bonitete.blogspot.com/

Anny disse...

Adorei o seu 'causo", ri um montão, acontece... Sou fraquéssima com bebidas, triloka apenas com uma taça de vinho (sinal: bochechas pra lá do "rouge", kkk). bjukas

Renata Soares disse...

Gostei que você tenha dividido isso com a gente!

Gostei de ver os comentários do pessoal também sendo solidário.

meu ultimo porre, estava num banheiro da balada, o qual só poderia entrar uma pessoa de cada vez, e acho que na quinta vez que estava indo lá pra por tudo pra fora, só escuto uma voz falando assim: EU SÓ TO SEGURANDO O SEU CABELO... quando eu olho pra tras, tinha um cara atrás de mim segurando o meu cabelo kkkkk mas pelo menos, não fez nada comigo, me pagou uma coca cola e fiquei sentada lá até de manhã quase.

bjas!

BeatrizC disse...

Você teve o primeiro porre na casa de amigos, ó que beleza! Eu tive dois: um com o noivo tomando conta de mim e me fazendo lembrar de tudo, às gargalhadas, no dia seguinte (não sei o que você tomou, mas acredite: tequila apaga a memória completamente) e o outro foi no meu chá de despedida de solteira, com mãe, sogra, cunhada, irmã e amigas se revezando pra segurar meu cabelo. Com um pequeno detalhe: o chá foi na casa de uma das madrinhas, que é filha do juiz que celebrou meu casamento. Bonito, né? O tempo todo eu gritando: não deixa teu pai me ver assim senão ele desiste do casamentoooo!!! Dessa vez foi de vodka, então eu lembro de tudo, mas preferia esquecer! =P

Soraya disse...

Ressaca moral é que é ruim de aguentar. Affe, posso com álcool, não... Já fico muito mal com uma taça de vinho, preciso dormir e tomar litros de água e comer doce. Eu sei que é difícil, Elise mas eu TIVE de rir, tá?

Anônimo disse...

Acontece!
Todo mundo tem uma estoria de bebado pra lembrar!
No futuro fica dive~rtido.
Mas essa coisa de misturar com remedio pra emegrecer é uma bomba!
Minha prima fez a burrice de tomar e beber do outro dia tbm e virou um demonio. Fez umas coisas bizarras e não lembrava de nada, passou muito mal..foi bem preocupante!
Enfim, tem que tomar cuidado com esses remedios p emagrecerem são muito fortes. Quando juntam com outras coisas ficam mais ainda!rs
Beijos

Cici disse...

Oi Elise,
não fica chateada não. Qdo isso aconteceu comigo (primeira e única vez) tbm me senti péssima, quase matei meus pais de preocupação pois fiquei tão mal que fui parar no hospital e ainda entrei de cadeira de rodas, vomitei tanto que a minha garganta machucou de um jeito que fiquei sem voz por dias. Daí me senti suuuuper culpada, chorei (bêbada chata que chora hahaha), pedi desculpas, mas hoje eu penso que até que foi bom, afinal foi só UMA vez e isso é viver, me diverti mto e quebrei a cara, melhor do que passar pela vida sem ter levado 1 único porre se quer.

Elise Machado disse...

Peeps, adorei tantas demonstrações de solidariedade!! Sério!

Quem me conhece sabe que eu acho deselegante no último dar trabalho pros outros, e que pra mim quem bebe e passa mal é gente sem noção e que faz figura triste.
Merda que eu me enquadro na categoria agora... rs
Beijas.

Anônimo disse...

Olha o primeiro porre a gente nunca esquece, o meu primeiro foi no Natal com a familia, eu tinha 14anos porre de vinho, acredito eu, q seja o pior d todos, passei muito mal durante q 1 semana, de lá pra cá aprendi a beber, e adoro uma animação etilica...kkk, nunca mais passei mal, sempre como algo e bebo bastante agua antes durante e depois pra hidratar o corpo, sou hiper timida e adoro beber e ficar soltinha...rs

Hellen disse...

Menina, relaxa... É chato alguém passar pela vida sem poder contar uma história dessas (sentiu que tô me esforçando para aliviar sua consciência né, rsrsrsrsrs).

Uma vez tomei um porre de vinho (dizem que é o PIOR que existe) na Lapa. Lembro que sentei na beira da calçada, de pernas abertas (detalhe BÁSICO: estava de saia) e gorfei como se não houvesse amanhã...

E pra dormir? Quem disse que o teto parava de girar? Pior era eu chamando a minha mãe (isso umas 3 da madrigada): MÃE, SEGURA O TETO MÃEEEEEEEEEEEEEE...

ni disse...

seu pileque foi forte mesmo, eu tbm nao gosto de beber, simplesmente não gosto do sabor do álcool. entao na minha vida só fiquei bêbada DUAS vezes. e nas duas eu adorei... haha... adorei a sensação de estar bêbada, mas assim, meu pileque não me deixou sem controle dos meus atos e sem conseguir andar. apenas fiquei MUITO sociável e achando tudo engraçado. mas realmente tem uma sensação de que aquilo não é real, de q a gente tá sonhando... na primeira vez eu tava na mesa de um barzinho e precisei ir no banheiro, comecei a dar risada pq eu tava tão tonta q nao sabia como eu ia andar até o banheiro... mas fui sozinha e voltei... hahaha.
só q o grande PORÉM é a RESSACA. É ruim DEMAIS, DEMAIS. Eu vomito as tripas pra fora...
E na segunda vez foi numa festa à noite, fui no trabalho no dia seguinte ainda meio bêbada... e a ressaca terrível começou quando eu tava NO TRABALHO... e de tarde ainda tinha avião pra pegar... só de lembrar o quanto sofri nesse dia me faz querer distancia da bebida.

Maela disse...

vide a tia da vala e qqr coisa que vc tenha feito fica pequeno...rs

Bjs mil

Anônimo disse...

Oi Elise liga não...acontece nas melhores famílias...mas eu te entendo perfeitamente..o dia seguinte é terrível, principalmente se a gente lembra de tudo. Bom mesmo é qdo dá um apagão geral...

Adoro uma caipirinha de vodka, mas sempre fico numa boa. O meu primeiro porre de ficar na história foi na minha despedida de solteira...rsrsr (pode não acreditar, mas foi com meu noivo - hj marido - meu irmão e cunhada, o quarteto de baladinhas...rsrsrs)nossa, tequila apaga geral, é um veneno. Eu só sei o que fiz pq todo o trajeto do bar até em casa foi gravado, e hj meu marido mostra para todo mundo que ele encontra...rsrsrsr, diz ele que vai mostrar pros nossos filhos...
Ele quem me trocou, colocou na cama, não dormiu a noite toda com medo de eu levantar e cair...acordei com a cabeça em frangalhos e fui parar no hospital.
O pior de tudo foi a vergonha de dizer pro médico o porque de tudo aquilo...ainda bem que ele foi compreensível (eu acho)
Mas tenho certeza que o que me fez mal mesmo foi o leite no outro dia, rsrsr.
Hj se eu bebo não tomo leite nem a pau, uns 2 dias dpois. E tequila nunca mais, pelo amor!!!
E essa do leite pegou, qdo saímos por aqui, ninguém toma leite no café...desculpa de bêbado.

Olha, vou te falar, se eu me casar outra vez, vai ser sem despedir mesmo...

vão te zoar por um tempo, vão lembrar disso numa hora que não tem nada a ver...é só nem dar boa que logo perde a graça...e tbém né: quem não bebe. não tem história...

Bjos

Anônimo disse...

Oi Elise liga não...acontece nas melhores famílias...mas eu te entendo perfeitamente..o dia seguinte é terrível, principalmente se a gente lembra de tudo. Bom mesmo é qdo dá um apagão geral...

Adoro uma caipirinha de vodka, mas sempre fico numa boa. O meu primeiro porre de ficar na história foi na minha despedida de solteira...rsrsr (pode não acreditar, mas foi com meu noivo - hj marido - meu irmão e cunhada, o quarteto de baladinhas...rsrsrs)nossa, tequila apaga geral, é um veneno. Eu só sei o que fiz pq todo o trajeto do bar até em casa foi gravado, e hj meu marido mostra para todo mundo que ele encontra...rsrsrsr, diz ele que vai mostrar pros nossos filhos...
Ele quem me trocou, colocou na cama, não dormiu a noite toda com medo de eu levantar e cair...acordei com a cabeça em frangalhos e fui parar no hospital.
O pior de tudo foi a vergonha de dizer pro médico o porque de tudo aquilo...ainda bem que ele foi compreensível (eu acho)
Mas tenho certeza que o que me fez mal mesmo foi o leite no outro dia, rsrsr.
Hj se eu bebo não tomo leite nem a pau, uns 2 dias dpois. E tequila nunca mais, pelo amor!!!
E essa do leite pegou, qdo saímos por aqui, ninguém toma leite no café...desculpa de bêbado.

Olha, vou te falar, se eu me casar outra vez, vai ser sem despedir mesmo...

vão te zoar por um tempo, vão lembrar disso numa hora que não tem nada a ver...é só nem dar boa que logo perde a graça...e tbém né: quem não bebe. não tem história...

Bjos

Cris disse...

Elise...

Por acaso, esse remédio para emagrecer que você está tomando é aquele slim shots que comentou em outro post?

Se for, quem toma não pode beber?

Se não for... o que você tá tomando?! ;)

Beijinhos curiosos!
Cris

Elise Machado disse...

Cris, além do slim shots comecei a tomar sibutramina.
É com esse que não é legal beber...

Daiane disse...

Ri muitoooo!!!!rsrsrsrsrs!!!o coments da tarada do velhinho, hahahahaha, muito engraçado! Elise, não te culpa não guria, afinal qm ñ bebe ñ tem história (pelo menos as deste tipo!!) Segue a vida, beba e seja feliz!!!