sexta-feira, 5 de setembro de 2008

EDITAL DE SEXTA (UI, EDITAL É "ÓTEMO", RSRSRS)


Estava lendo um blog que gosto muito, e havia um post sobre futilidade que mexeu comigo.

Não vou entrar no mérito de qual blog, porque como disse é um blog que gosto, de uma pessoa bacana (e não quero fazer publicidade negativa dela nem nada), mas calhou deu não concordar muito com algumas coisas que ela disse, e do post me fazer pensar.

Como opinião é "aquilo", respeito o modo dela e de outras pessoas pensarem, mas aqui vai a minha (claro, o blog é meu porra! rsrsrs).

Eu sou uma pessoa fútil. Sou sim, e com orgulho.

Isso faz de mim superficial? O que é ser fútil, afinal? Será que não dá pra ser fútil e um ser humano decente ao mesmo tempo?

Acontece que eu acho que dá.

Ser fútil é ótimo - nos faz leves, com interesses diversos, a respeito de mil coisas. Amplia nossa gama de recursos mentais (sério). Porque a vida não é só feita de trabalho, obrigação, preocupação, problema, contas, assuntos sérios. Ela é feita de pequenas coisas, pequenos momentos, bobices, prazer...

E comprar é um prazer. Como comer, rir, ver um filme, se embonecar.

Que mal há nisso? A gente precisa se preocupar o tempo todo com o menino na rua, a falta de assistência social, a pobreza, a desigualdade? Uma coisa (uma preocupação, no caso) não anula todas as outras. A gente não precisa ser engajado, preocupado e bonzinho 100% do tempo pra ser bacana. Pra ser digno. Pra ser respeitado.

Isso é coisa de gente metida a politicamente correta. Vc pode se preocupar sim, e pensar em outras coisas também. Ter outros interesses. Viver de forma leve (olha aí meu lado Polliana de ser, que escondo).

É pecado gastar dinheiro com coisas "não importantes", "não essenciais"? Quem disse que não é importante? E se não for primeira necessidade, não merece consideração?


Eu não fiz voto de pobreza. Parabéns para quem fez. Mas eu não me sinto culpada por gastar meu dinheiro. Nem por 1 segundo, e ninguém vai me obrigar a isso.

Meu dinheiro é meu - é merecido, é suado. Eu estudei anos para ter uma profissão boa, e ser bem remunerada. Me sacrifiquei, me esforcei. Trabalho de forma pesada a semana toda.

Não caiu no meu colo, e se eu tenho ótimos recursos, faço o que quiser com eles. Até rasgo. E ninguém vai me convencer também de que não mereço usufruir dele. Sem "miserê", sem ser "econômica". E nada de culpa.

Gasto mesmo, no que eu quero, no que me dá prazer. Com minha casa, minha filha, meu marido. Me cuido, me amo e me mimo. Me recompenso.

E isso não invalida poder ajudar os outros também. Se eu ajudo, ninguém precisa ficar sabendo.

Afinal, meu pai sempre disse que o que a mão direita faz, a esquerda não precisa ficar sabendo. Até porque o simples fato de falar sobre um bem que se faz, sobre uma preocupação social que se tem, tira um pouco da abnegação do gesto. Conheço um monte de gente assim....que quando ajuda alguém, ou faz caridade, fica se vangloriando.

Aí eu me pergunto: fez pelo outro, ou fez por ela mesma? Pra se sentir bem? Pra posar de bonzinho, sério, consciente?

Então é isso; acho que CULPA é um mau hábito católico (rsrsrs) arraigado. Acho que tentar ser uma pessoa boazinha todo o tempo é babaquice. E ser caridoso de um lado, e filho-da-puta de outro é um paradoxo hipócrita.

Prefiro mil vezes levantar e trabalhar, do que ajoelhar e rezar.

E se isso faz de mim uma pessoa fútil, WELL...

17 comentários:

Ana Barros disse...

Sabe que eu também adoro certas futilidades ? E também acho que isto não magoa ninguém.
Procuro não falar mal das pessoas no meu blog, nem no meu dia a dia (embora saiba que às vezes isto seja quase impossível).
Afinal, acho que a gente não ganha nada em chatear os outros, não é mesmo ?

Geovana disse...

Desde que não seja escrava do dinheiro e não use o cartão de crédito como vício, se permitir à futilidade é sempre bom. Até porque a futilidade de um é bem essencial pra outro.
Eu não sou ligada em ter nada de marca, perfumes caros ou maquiagens importadas, mas gosto de comer bem, de viajar, de cuidar dos meu bichos e ver minha casa bonita. Futilidade? depende de quem vê.

Daniely Novo Kamaroff disse...

ADOREI ESSE POST...DÁ DANDO PUBLICIDADE PARA O MEU BLOG..AHAHAHHAHAHAAHHAHAHAHA
ESQUENTA NÃO MINHA FLOR, EU SOU FUTILIDADE ATÉ NO NOME!!!!! E QUE O RESTO VÁ PARA AQUELE LUGAR...RS
BJKS

Olly disse...

Adoro!!!!! E penso asim tbm flor.

beijos

lolo disse...

Olha só, vcs têm que parar de contar o basfond (como dizem as gêmeas) e não contar o santo!!! Matam esta jornalista de curiosidade!!! Fora isso, apoiada, companheira!

Milena disse...

Ai sabe o que eu odeio? Hipocrisia!! Quem nesse mundo redondo não tem uma futilidadezinha? Fala sério né?
Apoiada! Pq qual o problema de ter fraquezas? De querer se divertir? De gostar do belo?

Beijoooooo

Marina disse...

elise, acho que sei de quem vc tá falando e é tbm uma pessoa que uma pessoa que eu gosto mto ( minha amiga de blog rs...) acredito que ela disse isso pq algumas pessoas devem ter criticado as " futilidades" que ela posta, e ela sentiu necessidade se se defender, apesar do blog ser dela e ela não dever nada a ninguém, claro que pequenos prazeres é sempre bom a gente trabalha tanto é pra isso mesmo, tudo mundo principlamente mulehres adoram um mimo né, o importante é ter consciência e não morrer se não puder ter a IT bag do momento. E eu nunca te achei fútil, rs...Beijos!

Ice Ice Baby disse...

agreed!

Paty disse...

querida, aprendi a nao falar mais o que eu compro, no que eu gasto... nem minha mae sabe... a maioria, ganhei do meu marido... vc suou o dinheiro é seu, e voce faz o que voce quiser! ninguem tem nada com isto!
beijos

Camia disse...

Elise, vc escreveu tudo o que penso. Trabalho bastante a semana toda, suei a minha vida toda pra ser bem remunerada, e, sinceramente, nao sinto a menor culpa quando gasto em uma bolsa o que daria para alimentar uma criança durante 1 semana... Fala sério, odeio patrulhas ideológicas, isso me lembrou aquela frase clássica "troque seu cachorro por uma criança pobre"... Fala sério!

Ana disse...

Na minha opnião, FÚTIL é tudo o que é DESNECESSÁRIO, o que podemos dispensar: guerra, armamento, muro nas casas, armas, políticos desonestos, corrupção, ignorãncia, miséria...

Gosto muito do teu blog! Ele é leve, charmoso, divertido, NECESSÁRIO!

Mil Retalhos disse...

Elise, sabe que todo o dia eu tenho que dar uma passadinha por aqui...não ando com tempo pra postar, mas não consigo deixar de ler os blogs das amigas.

Adorei o que você disse: "Gasto mesmo, no que eu quero, no que me dá prazer. Com minha casa, minha filha, meu marido. Me cuido, me amo e me mimo. Me recompenso.", eu também penso assim...


Sabe, eu tenho uma cunhada, que é como uma irmã pra mim, mas ela é uma pessoa que vai ao shopping e não toma um cafézinho porque ela fala quye com o preço de 02 cafézinhos dá pra comprar um kilo de pó de café!!! Acha que pode???Se ela soubesse quanto eu gasto pra manter meu cabelo loiro, ela teria um infarto, porque dá pra comprar muiiiitas coisas com este dinheiro, mas afinal, eu trabalho tanto, me sacrifico o dia inteiro, será que eu não mereço????

Bjs e continue assim, gosto de você pois você é autentica....

Roberta

Mil Retalhos disse...

Faltou dizer uma coisinha...

a geovana falou tudo com poucas palavras:

"Futilidade? Depende de quem vê."

Perfeito..

Bjs

Andréa Ramos disse...

Elise,vê se vc já conhece esse blog.Achei bem legal.
http://diadebeaute.com/
Beijas

Cris disse...

Elise:

Se é pegar gastar dinheiro com coisas fúteis, vou "mofar" no inferno!!!! que mulher não gasta $$$ com uma blusinha sem precisar, um novo shampoo, um creme que promete milagres ou uma revista importada super hiper mega linda? É como você disse: o $$$ é suado, trabalhamos muuuito para ganhá-lo, engolimos sapos e merecemos, sim, sermos fúteis de vez em quando! E dane-se a opinião alheia!


Beijos,

Cris

Elise disse...

Beijas, minhas meninas maravilhosas!!

Andréa, eu conheço sim!!
Leio todo dia!!

Renata R. disse...

Concordo muito com você, Elise. Senti vontade de escrever sobre isso.
Beijo!